Estudantes da rede municipal de Olinda já podem renovar matrícula

Para alunos novatos, as matrículas são entre os dias 2 e 31 de janeiro

Escola Municipal de OlindaEscola Municipal de Olinda - Foto: Divulgação /Secom Olinda

Escolas municipais de Olinda iniciaram processo de matrículas para 2019. O processo se inicia ainda em 2018, dividido em três etapas: renovação para alunos que já são da rede municipal; remanejamento ou transferência de alunos; e matrícula de estudantes novatos. As renovações de matrícula, realizadas nas unidades de ensino onde o estudante cursou o ano letivo de 2018, precisam ser feitas pelo responsável pelo estudante, em caso de menor de idade.

Estudantes que cursaram educação infantil, ensino fundamental e Educação de Jovens e Adultos (EJA) na rede municipal de Olinda poderão ter suas vagas asseguradas até o dia 30 de dezembro. Após o prazo, a vaga será disponibilizada para o remanejamento, que ocorre também até o dia 30, transferência e novatos.

Leia também:
Começa período de matrícula em escolas municipais para alunos novatos
Matrículas para escolas de Paulista vão até o dia 15 de dezembro
Escritor Roberto Tapioca lança livros em Olinda


Em janeiro de 2019, de 2 a 31, as matrículas para novatos poderão ser realizadas. Interessados ou seus responsáveis no ato da matrícula precisarão de: certidão de nascimento ou casamento, histórico escolar, uma foto 3x4 atual, carteira de vacinação atualizada, RG e CPF do estudante ou do responsável, número do NIS, cópia do cartão do SUS, cópia do cartão do Bolsa Família (se for beneficiado). É necessário um comprovante de residência (conta de luz, água, telefone ou declaração de moradia). Além de histórico escolar ou declaração (válida por 60 dias), comprovação do grupo sanguíneo e laudo médico caso o estudante seja portador de deficiência.

Veja também

Ex-presidente filipino Benigno "Noynoy" Aquino morre aos 61 anos
Luto

Ex-presidente filipino Benigno "Noynoy" Aquino morre aos 61 anos

Premiê húngaro justifica lei polêmica e diz defender homossexuais
Homofobia

Premiê húngaro justifica lei polêmica e diz defender homossexuais