Estudantes pretendem entregar carta a parlamentares contra corte de bolsas do CNPq

Documento rechaça a suspensão dos benefícios anunciada pelo governo

Bolsas do CNPQ foram suspensasBolsas do CNPQ foram suspensas - Foto: Sumaia Villela/Agência Brasil

Estudantes universitários de programas de mestrado e doutorado das Universidades Federal e Federal Rural de Pernambuco (UFPE e UFRPE) assinam uma carta endereçada a deputados e senadores pedindo empenho para suspender o corte de bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O documento rechaça a suspensão dos benefícios anunciada pelo governo na última quinta-feira (15).

"Em 11 de junho foi aprovado no Congresso um crédito suplementar de quase R$ 250 bilhões. Desse dinheiro, a líder do governo, Joice Hasselmann [PSL-SP], garantiu que R$ 330 milhões seriam usados para pagar as bolsas. Mais de 84 mil pesquisadores ficarão sem bolsas caso o dinheiro não seja repassado como foi acordado", argumentou o aluno do programa de pós-graduação de Sociologia da UFPE Vitor Bahia. "A ideia é lembrar e cobrar os deputados e senadores sobre os cortes e tentar pressionar o Congresso para não acabar com a ciência no Brasil", continuou.

Leia também:
CNPq suspende seleção de bolsistas à espera de liberação de crédito
Problema de orçamento do CNPq está “sendo resolvido”, diz ministro


Segundo o CNPq, em nota divulgada no dia do anúncio do corte, as bolsas suspensas não estavam sendo ocupadas atualmente. "O CNPq informa a suspensão de indicações de bolsistas, uma vez que recebemos indicações de que não haverá a recomposição integral do orçamento de 2019", afirmou o conselho. Atualmente, existem 27 mil bolsas ativas para iniciação científica na graduação de instituições de ensino do País. Há ainda 8.650 para mestrado e 8.600 para doutorado. Cada uma paga, respectivamente, R$ 400, R$ 1,5 mil e R$ 2,2 mil.

"Ciência e educação não são políticas de governo, são políticas de Estado", acrescentou Vitor. A carta deve ser enviada via e-mail para deputados e senadores. Segundo o universitário, a ideia é entregar primeiramente a representantes das comissões ligadas ao tema. Eles também pretender acrescentar ao documento um abaixo-assinado - que já conta com mais de 700 mil assinaturas e o apoio de dezenas de entidades científicas e acadêmicas brasileiras - em defesa dos recursos para o CNPq e contra a sua extinção, disponibilizado na plataforma Change.

Leia a carta na íntegra:

Senhores/as Deputados/as e senadores/as,

Nós, estudantes de pós-graduação da Universidade Federal de Pernambuco e da Universidade Federal Rural de Pernambuco, queremos ratificar a importância da manutenção do pagamento das bolsas de fomento às pesquisas desenvolvidas por cientistas brasileiros em formação. Considerando os cortes sequenciais de orçamento para a ciência e tecnologia nacional que vem acometendo a toda a comunidade científica, o não recebimento de financiamento representa, para muitos jovens pesquisadores, o encerramento de suas atividades, tendo em vista que esta remuneração representa sua única fonte de renda. Vale salientar que a dedicação exclusiva à pesquisa, uma exigência do próprio CNPq, é uma condição importante para o bom desenvolvimento dos projetos de pesquisa financiados e também o para o bom desempenho dos Programas de Pós-graduação. Reconhecemos a importância da ampla variedade de pesquisas científicas desenvolvidas durante nossas atividades acadêmicas como um conjunto estratégico para o avanço tecnológico e social do Brasil. Lembramos, ainda, que em 11/06/2019 o Congresso Nacional aprovou crédito suplementar de R$248,9 bi, dos quais R$330 milhões seriam destinados para recompor o déficit do orçamento do CNPq, como garantiu a líder do governo no Congresso Nacional. Assim, reafirmamos e cobramos a necessidade urgente de recomposição orçamentária dos órgãos de fomento à pesquisa, excepcionalmente às do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, para que tenhamos condições mínimas de continuar a desenvolver a pesquisa nacional, e contribuir para o desenvolvimento do Brasil.

Assinam esta nota estudantes do

Programa de Pós-graduação em Ciências Biológicas da UFPE
Programa de Pós-graduação em Ciência da Computação da UFPE
Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFPE

Programa de Pós-graduação em Ciência dos Materiais da UFPE

Programa de Pós-graduação em Nutrição, Atividade Física e Plasticidade Fenotípica da UFPE

Programa de Pós-graduação em Educação da UFPE

Programa de Pós-graduação em Oceanografia da UFPE

Programa de Pós-graduação em Química da UFPE

Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da UFPE

Programa de Pós-graduação em Direito da UFPE

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da UFPE

Programa de Pós-graduação em Inovação Terapêutica da UFPE

Programa de Pós-graduação em Educação Física da UFPE

Programa de Pós Graduação em Odontologia da UFPE

Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente da UFPE

Programa de Pós-Graduação em História da UFPE

Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFPE

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática

Programa de Pós-Graduação em Educação Contemporânea

Mestrado em Educação, Culturas e Identidades da UFRPE/FUNDAJ

Para conhecimento de V.Ex.as, segue o link do abaixo assinado criado pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência em defesa do CNPq e da ciência brasileira, que já conta, até o envio desta nota, com mais de 700.000 assinaturas: https://www.change.org/p/somos-todos-cnpq

Fontes:

https://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/ADMINISTRACAO-PUBLICA/578168-CONGRESSO-APROVA-CREDITO-SUPLEMENTAR-DE-R$-248,9-BI-PARA-GOVERNO-COBRIR-DESPESAS-CORRENTES.html

https://g1.globo.com/politica/noticia/2019/06/11/congresso-aprova-credito-extra-de-r-2489-bilhoes-para-o-governo.ghtml

Veja também

Apesar de pressão, sindicatos de professores não conseguem impedir reabertura de escolas no País
Educação

Apesar de pressão, sindicatos de professores não conseguem impedir reabertura de escolas no País

Letalidade da Covid-19 no Brasil está em torno de 3%
Coronavírus

Com quase 137 mil mortos pela Covid-19, Brasil tem taxa de letalidade em torno de 3%