Estudantes são liberados após conflito em escola no Ibura

Por volta das 8h os estudantes foram impedidos de entrar no local porque tinham como objetivo montar uma ocupação contra mudanças ocorridas na educação

Ato da Caravana de Lula em Curitiba, no Sul do PaísAto da Caravana de Lula em Curitiba, no Sul do País - Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Foram liberados por volta das 16h desta quinta-feira (10) os integrantes do grupo que havia sido detido durante o confronto com a polícia na ocupação da Escola de Referência em Ensino Médio (Erem) Dom Sebastião Leme, no bairro do Ibura, Zona Sul do Recife.

Depois de liberado, o grupo segue para o Ministério Público onde prestará denúncia de agressão. Eles pretendem ainda ir ao Instituto Médico Legal (IML) para fazer exame de corpo delito. Na saída da Central de Flagrantes, o grupo não quis falar com a imprensa, mas posou para a foto acima quando o último homem foi liberado, junto com outros manifestantes e representantes de entidades dos direitos humanos.

Nesta quinta-feira (10) os alunos, tiveram uma manhã tumultuada em frente à instituição de ensino. Por volta das 8h os estudantes foram impedidos de entrar no local porque tinham como objetivo montar uma ocupação contra mudanças ocorridas na educação. O ato também é um manifesto que se opõe a Proposta de Emenda Constitucional (PEC). A polícia foi acionada e quatro estudantes foram detidos por desacato.

“Os alunos queriam ocupar a escola e fazer uma reunião na quadra, mas a polícia não quis conversar, chegaram ameaçando e usando força para conter os jovens”, relatou Tânia Gabriela, que trabalha voluntariamente na instituição.

Cícero da Silva, de 21 anos, que também trabalha voluntariamente dando aulas de filosofia, disse que o diretor não quis que ninguém entrasse no local porque os alunos queriam ocupar a escola. “Os alunos estavam fazendo protesto e nós fomos lá para acalmar eles e aconselhar para não vandalizar. A partir daí o diretor chamou a polícia, os alunos se assustaram e ele (o diretor) alegou que nós estávamos fazendo vandalismo, quando não estávamos, se alguém vandalizou foi para criminalizar o movimento”, explica.

Leia Mais:

Polícia prende quatro pessoas em tentativa de ocupação em escola

Veja também

Amazônia já tem mais queimadas em 2020 do que em todo o ano passado
meio ambiente

Amazônia já tem mais queimadas em 2020 do que em todo o ano passado

Pandemia causa atrasos nas obras de recuperação de Mariana
Mariana

Pandemia causa atrasos nas obras de recuperação de Mariana