A-A+

Estudo coloca consumo por login e produção local entre tendências do jornalismo

Os últimos dez anos foram definidos pela disrupção tecnológica do mobile e das mídias sociais, o que fragmentou a atenção e enfraqueceu a seleção de conteúdos relevantes pelo jornalismo

JornaisJornais - Foto: brotiN biswaS/Pexels

Com base em levantamento feito com 233 executivos de companhias midiáticas de 32 países, o centro de pesquisa Reuters Institute for the Study of Journalism lançou o relatório que mostra os desafios e tendências para as organizações de jornalismo em 2020.

Os últimos dez anos foram definidos pela disrupção tecnológica do mobile e das mídias sociais, o que fragmentou a atenção e enfraqueceu a seleção de conteúdos relevantes pelo jornalismo, segundo o estudo intitulado "Journalism, Media and Technology Trends and Predictions 2020" (Jornalismo, Mídia e Tendências Tecnológicas e Previsões para 2020, em tradução literal).

"A próxima década será definida pela regulação crescente da internet e tentativas de restabelecer a confiança no jornalismo e a proximidade com a audiência", diz o documento. Além disso, outras tecnologias e novos cenários econômicos e políticos vão trazer vários desafios para as empresas de notícias.

Leia também:
Prêmio BNB de Jornalismo deve pagar R$ 234 mil em premiações
Pernambucana é destaque no 36º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo

Segundo o relatório, 73% dos entrevistados disseram que se sentem confiantes em relação às perspectivas da empresa para 2020, mas apenas 46% se sentem do mesmo jeito em relação ao futuro do jornalismo. Uma das principais preocupações é a produção local de notícias, junto com o medo do declínio da confiança e dos ataques ao jornalismo por políticos.

"Eu estou preocupado que os jornais locais sejam afetados por dívidas corporativas, diminuição da receita de anúncios e pela transição lenta para as plataformas digitais", disse Jeremy Gilbert, diretor de iniciativas estratégicas do Washington Post.

Metade dos entrevistados indica que os leitores são o principal fluxo de renda do veículo e, por isso, estão apostando cada vez mais no engajamento destes. Diante disso, uma das tendências para 2020, segundo o relatório, é que os sites exijam cada vez mais o registro de dados e aumentem suas estratégias de login em troca do acesso ao conteúdo.

Em relação à diversidade de gênero, a pesquisa indica que 76% dos executivos acreditam que suas empresas estão fazendo um bom trabalho. Porém o desempenho diminui quando se trata de diversidade racial, com apenas 33% avaliando seu desempenho positivamente.

O relatório também estima que, sendo 2020 um ano de eleições ao redor do mundo, uma nova onda de desinformação virá a tona, com novas táticas, incluindo tecnologias de IA, para sobrecarregar as defesas das plataformas. O papel dos sites será cada vez mais politizado, o que ocasionará ataques diretos e acusações de políticos.

Veja também

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI
CNI

Preocupação com falta de mão de obra cresce na indústria, diz CNI

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar
Direitos Humanos

ONU teme 'crimes hediondos em massa' em Mianmar