Estudo com hamsters comprova eficácia de máscaras contra Covid-19

Os resultados mostram que a transmissão do vírus diminuiu em mais de 60% quando as máscaras foram colocadas

Uso de máscarasUso de máscaras - Foto: Léo Malafaia / Folha de Pernambuco

Vários testes realizados com hamsters provaram que o uso da máscara reduz acentuadamente a propagação do novo coronavírus, informaram especialistas da Universidade de Hong Kong neste domingo (17).

Este é um dos primeiros estudos para comprovar se o uso de máscaras pode impedir que portadores sintomáticos ou assintomáticos do vírus SARS-CoV-2 infectem outros indivíduos.

Liderados pelo professor Yuen Kwok-yung, especialista renomado em coronavírus, os pesquisadores prepararam duas gaiolas: uma com hamsters infectados e outra com animais saudáveis. Depois, as colocaram uma ao lado da outra.

Leia também:
Grande Recife fiscaliza uso obrigatório de máscaras no ônibus
Uber vai impor uso de máscaras a motoristas e passageiros


Eles colocaram máscaras cirúrgicas entre ambas as gaiolas e ativaram um fluxo de ar da gaiola com hamsters doentes para a de animais saudáveis.

Os resultados mostram que a transmissão do vírus diminuiu em mais de 60% quando as máscaras foram colocadas. Quando estavam sem as máscaras, dois terços dos hamsters saudáveis se infectaram em uma semana.

A taxa de infecção caiu para pouco mais de 15% quando as máscaras foram colocadas na gaiola dos animais infectados e 35% na gaiola dos saudáveis.

"Está muito claro que utilizar máscaras em pessoas infectadas [...] é mais importante do que em qualquer outra", declarou Yuen aos jornalistas.

"Agora que sabemos que grande parte dos infectados não apresentam sintomas, o uso universal das máscaras é realmente fundamental", acrescentou.

Quatro meses depois do aparecimento dos primeiros casos de COVID-19 na China, Hong Kong conseguiu limitar o número de casos para 1.000, com apenas quatro mortes.

De acordo com os especialistas, o uso da máscara e as campanhas de testes de diagnóstico em massa e de rastreamento de casos poderiam explicar o sucesso no controle da epidemia em uma cidade de 7,5 milhões de habitantes.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Assassinatos de albinos cresceram na pandemia, afirma especialista da ONU
Mundo

Assassinatos de albinos cresceram na pandemia, afirma especialista da ONU

Itapissuma amplia vacinação para pessoas sem comorbidade a partir dos 27 anos
Covid-19

Itapissuma amplia vacinação para pessoas sem comorbidade a partir dos 27 anos