Covid-19

Estudo descreve dois possíveis casos de reinfecção por coronavírus em Pernambuco

Covid-19Covid-19 - Foto: Divulgação/Secretaria de Saúde de Maceió

Em estudo publicado nessa quinta-feira (1º), quatro pesquisadores pernambucanos trazem relatos de dois possíveis casos de reinfecção pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Estado. Os pacientes analisados são um homem de 40 anos e uma mulher de 44, ambos profissionais de Saúde, que contraíram a Covid-19 em abril e, no mês seguinte, ao voltarem a sentir os sintomas, apresentaram novamente um resultado positivo para a doença. A Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que ainda não há protocolo definido para esse tipo de notificação.

O texto, assinado pelos médicos Carlos Brito, Petrus Moura, Marina Coelho e Daniela Barbosa, foi publicado na revista científica International Medical Case Reports Journal e descreve o quadro clínico dos pacientes.

O homem de 40 anos foi o primeiro infectado, sentindo os sintomas a partir de 10 de abril, tendo feito o exame RT-PCR no dia 14. A segunda infecção teria começado mais de 46 dias depois, em 26 de maio, sendo testado no dia 28.

Já em relação à mulher, as infecções foram registradas, primeiro, no dia 30 de abril e, depois, em 24 de maio. Os testes que ela fez foram realizados nos dias 4 e 29 de maio, respectivamente.


“Eles desenvolveram quadro clínico de tosse, febre, dores no corpo, sensação de mal-estar, um pouco de diarreia e realizaram o RT-PCR, que deu positivo. Passaram-se, em média, cinco dias, regrediram os sintomas e eles voltaram às suas atividades habituais. Depois, eles desenvolveram novos sintomas compatíveis com Covid. O que também chamou atenção nesses casos foi que, diferentemente da primeira onda de sintomas, nessa segunda fase, eles tiveram perda de paladar e olfato, e o PCR mostrou-se positivo também”, conta o médico Carlos Brito, professor de Clínica Médica da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

O pesquisador lembra ainda que o fato, por si só, de os pacientes terem apresentado dois resultados positivos com a RT-PCR não confirma uma reinfecção, pois é comum que fragmentos do vírus permaneçam nas vias respiratórias da pessoa mesmo após a cura.

“É como se fossem resíduos, partículas pequenas, que não são capazes de levar à doença, mas o teste dá positivo”, explica Brito. “Aqui a diferença é que os pacientes desenvolveram sintomas, inclusive, de perda de cheiro e paladar, reforçando que se tratava mesmo de Covid”.

Além disso, os profissionais de saúde fizeram o teste sorológico nas duas ocasiões para saber se produziram anticorpos. No caso do homem, o exame deu negativo na primeira vez e positivo na segunda. Já em relação à mulher, o resultado foi positivo nas duas possíveis infecções. “Há várias hipóteses que a gente discute no artigo. Ou os anticorpos não foram suficientes ou houve uma mutação”, afirma Carlos Brito.

Ainda de acordo com ele, o ideal para confirmar a reinfecção seria fazer o sequenciamento viral, análise laboratorial que busca identificar especificamente o agente infeccioso que contaminou o paciente e, assim, descobrir se as infecções se deram pelo mesmo vírus ou por vírus diferentes.

Apesar das novas evidências, que indicam o caminho para a confirmação de que é possível pegar a Covid duas vezes, o médico pondera que se trata, ainda, de um fenômeno pouco frequente.

“Lembrando que são relatos de caso, que a gente costuma dizer que servem para levantar hipóteses, mas é necessário um número maior de casos e estudos para que se possa dizer qual o impacto disso do ponto de vista de saúde pública. Mas, se fosse algo usual, teríamos muito mais casos, milhares de relatos”, argumenta.

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) afirmou que é preciso analisar com cautela os estudos sobre reinfecção pela Covid-19 e que ainda não há um protocolo definido no Brasil para análise desse tipo de caso.
 
Além disso, o texto  cita pesquisa norte-americana que indica que fragmentos virais podem permanecer no organismo de pacientes até três meses após o contato com o vírus e, por isso, dois testes positivos de RT-PCR em uma mesma pessoa não são suficientes para confirmar uma reinfecção. O órgão disse ainda que, apesar de terem sido confirmados casos em outros países, a reinfecção pelo novo coronavírus não parece ser recorrente.

Leia a nota da SES na íntegra:

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informa que é preciso analisar com cautela, e sem precipitar conclusões, os estudos sobre a reinfecção pela Covid-19. Neste sentido, ainda não existe protocolo definido no Brasil para análise de casos de reinfecção pelo SARS-Cov-2. Além disso, fragmentos virais podem permanecer no organismo do pacientes até 3 meses após o contato com o vírus, conforme relatado em estudos recentes, como o do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. Desta forma, dois testes RT-PCR positivos de uma mesma pessoa não são suficientes para afirmar que se trata de um caso de reinfecção. Assim, o sequenciamento genético do vírus é importante para avaliar se o segundo episódio trata-se, ou não, da mesma infecção.

Por fim, a SES-PE ressalta que, apesar de casos de reinfecção já terem sido confirmados em outros países, este não parece ser um evento regular e recorrente. No entanto, é muito importante a documentação e análise dos registros para ampliar o conhecimento sobre a Covid-19. Efetivamente, os achados de reinfecção, até o momento, apenas reforçam os cuidados que todos, mesmo os que já tiveram a doença, precisam ter com as medidas de proteção. Lavar as mãos com frequência, usar a máscara corretamente e cumprir o distanciamento social, evitando aglomerações, são atitudes cruciais para superar a pandemia e para proporcionar os avanços no processo de convivência com a Covid-19.

 

Veja também

Aulas presenciais na rede municipal de Ipojuca voltarão apenas em 2021
Educação

Aulas presenciais na rede municipal de Ipojuca voltarão apenas em 2021

Covid-19 gera avalanche de financiamentos bilionários para vacinas
Mundo

Covid-19 gera avalanche de financiamentos bilionários para vacinas