A-A+

Coronavírus

Estudo detecta 29 linhagens do SARS-CoV-2 na região Nordeste; Gama segue em maioria

O estudo ainda encontrou 61 linhagens no Brasil

Testagem para detectar o coronavírusTestagem para detectar o coronavírus - Foto: Richardson Martins/Secretaria de Saúde do Recife

Artigo recente divulgado pelo periódico Viruses analisou a quantidade de linhagens do vírus SARS-CoV-2 (Covid-19) identificadas nas cinco regiões do Brasil. De acordo com o estudo, 61 linhagens foram encontradas no País. 

Na região Nordeste, 29 variantes do coronavírus foram detectadas, sendo a Gama (689 genomas), variante brasileira, a de maior prevalência. Em seguida, a Zeta, variante que surgiu nos Estados Unidos, foi a segunda linhagem com maior predomínio na região Nordeste. 

“Com base no software Pangolin, mostramos a presença de 61 linhagens SARS-CoV-2 nas regiões brasileiras, com alta predominância da variante Gama”, diz o estudo, que ainda ressalta que, na América do Sul, Brasil e Chile apresentam taxas de mutação semelhantes às da África do Sul e Índia. “Esses números indicam que tais regiões são, de fato, hotspots (ponto de partida) para o surgimento de novas variantes”, conclui.

  

Por sua vez, o pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-PE) Gabriel Wallau explica que o número de variantes não é algo muito preocupante, mas, sim, a cepa em si, que pode ser mais perigosa que outra. “Apesar de que o número de variantes não significa praticamente nada para entender a pandemia ao meu ver. Uma vez que uma ou poucas variantes que realmente importam para as ondas de infecção”, detalha. 

Segundo sequenciamento genético da Fiocruz-PE, até o momento, no mês de agosto, a variante em predominância em Pernambuco é a Gama. São 45 casos contra 6 da linhagem Delta. Ainda de acordo com Wallau, os números ainda não estão fechados. “Até o fim de setembro novos resultados serão liberados com novas rodadas de sequenciamento para o mês de agosto”, diz. 

Por outro lado, nacionalmente, a variante em dominância desde agosto é a Delta. “No Brasil, não há informação da comparação Delta com Gama. É complicado compará-las e dizer quem é pior”, acrescenta o pesquisador. 

Vacinação 
Para o médico infectologista do Hospital Oswaldo Cruz Filipe Prohaska, as variantes surgem para o bem ou para o mal, na medida em que podem ser mais fortes ou fracas. O médico ainda explica que as variantes podem ser classificadas como "de atenção", como a MU, da Colômbia, da qual ainda não se tem muitos estudos. Além desta, a variante "preocupação" é a de maior risco, como Gama, Alfa, Delta. “A Gama tem uma gravidade maior que outras, já a Delta tem maior transmissibilidade”, diz 

Em Pernambuco, no entanto, ainda não são sequenciados muitos casos, como acontece no Rio de Janeiro, alerta o médico. “Com isso, há um resultado mais fidedigno das variantes, e é preciso realizar mais sequenciamentos aqui”, ressalta. 

Prohaska ainda pondera que, para frear essas variantes, é preciso de vacinação em massa de forma global. “Mesmo com o Brasil vacinando, devemos lembrar que há países em atraso. As variantes surgem da falta de imunidade coletiva da população. Enquanto o mundo não estiver vacinado, essas variantes continuarão em formação. A melhor forma de prevenção é o uso de máscara, distanciamento social e higienização mesmo após a vacina.”, detalha o médico. 

Veja também

Comissão de Justiça da Alepe aprova obrigatoriedade de vacinação para servidores estaduais
Coronavírus

Comissão da Alepe aprova obrigatoriedade de vacinação para servidores estaduais

Começa julgamento de consultoria alemã por queda da barragem de Brumadinho
Brumadinho

Começa julgamento de consultoria alemã por queda da barragem de Brumadinho