Estudo diz que consumo de pescado de Pernambuco é seguro

Três universidades analisaram 150 amostras de 17 espécies de peixes e outros pescados ao longo do litoral do Estado

Foram analisadas 150 amostras de pescadosForam analisadas 150 amostras de pescados - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

O governo de Pernambuco informou nesta segunda-feira (30) que um estudo realizado por pesquisadores de três universidades confirmou a segurança para o consumo de 17 espécies de peixes pescados ao longo do litoral do Estado, além de várias espécies de frutos do mar. Segundo a secretaria estadual de Desenvolvimento Agrário, em seu relatório final, os especialistas liberam o consumo inclusive do xaréu e do sapuruna, cuja ingestão, por segurança, tinha sido temporariamente desaconselhada em decorrência das manchas de óleo que apareceram no litoral do Estado a partir do mês de agosto.

Foram analisadas 150 amostras de peixes e frutos do mar coletados por pescadores artesanais em dez localidades litorâneas pernambucanas, definidas pelo grupo técnico formado por especialistas das universidades Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Federal de Pernambuco (UFPE) e Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), além de servidores do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA).

Os lotes de peixes e frutos do mar analisados foram coletados em praias e estuários de Cabo de Santo Agostinho, Canal de Santa Cruz, Ipojuca, Itamaracá, Itapissuma, São José da Coroa Grande, Sirinhaém, Tamandaré, Pina e Ilha de Deus. Foram avaliadas 17 espécies de peixes (ariocó, bagre, boca torta, budião, cação preto, carapeba, cavala, cioba, coró, guaiuba, manjuba, sapuruna, sauna, saramunete, serra, tainha e xaréu), duas de camarão (camarão rosinha e sete barbas), além de siri, aratu, ostra, marisco e sururu.

Leia também: 
Manchas de óleo voltam a aparecer no litoral do Ceará
Amostras de peixe apresentam níveis de contaminação por óleo
Para 42% da população, governo agiu mal em crise do óleo no litoral
CPI do Óleo quer acesso a documentos e ouvir autoridades
Óleo já atingiu a pelo menos 675 áreas de 116 cidades, informa Ibama


Anteriormente, os acadêmicos tinham recomendado a suspensão temporária do consumo do xaréu e do sapuruna, duas espécies cujas análises preliminares apontaram níveis de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (compostos presentes no óleo) acima do limite definido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Segundo o governo pernambucano, as novas amostras foram coletadas nos mesmos locais que as anteriores. E, desta vez, “apresentaram índices seguros para o consumo humano”.

“Nossos pescados estão seguros”, afirma o secretário de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco, Dilson Peixoto em nota divulgada no site do governo estadual. A coleta e a análise dos pescados integra o plano de ação do Governo de Pernambuco para avaliar e monitorar o impacto do derramamento de óleo no litoral do Estado, tanto em relação à qualidade da água nas praias como em relação ao consumo dos pescados.

Veja também

Pandemia de Covid causou aumento de mortes por malária em 2020, diz OMSMalária

Pandemia de Covid causou aumento de mortes por malária em 2020, diz OMS

Projeto cria cadastro nacional de pedófilosJustiça

Projeto cria cadastro nacional de pedófilos