Estudo no AM vê benefício discreto no uso da cloroquina

Infectologista fez citou que a dosagem utilizada pode ajudar na recuperação ou debilitar mais o paciente

Cloroquina é usada em testes contra a Covid-19Cloroquina é usada em testes contra a Covid-19 - Foto: Gerard Julien/AFP

Um estudo preliminar sobre o novo coronavírus conduzido com 81 pacientes tratados com cloroquina em Manaus apontou uma taxa de mortalidade de 13%, contra um percentual de 18% a 20% verificados em outros países.

O resultado foi apresentado nesta segunda-feira (6), pelo infectologista Marcus Vinícius Lacerda, da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas. Segundo ele, os pacientes, todos em estado grave, "se beneficiaram discretamente”.

As pesquisas com cloroquina já apresentaram resultados positivos em países como França e China. Porém, especialistas e a OMS (Organização Mundial da Saúde) afirmam que esses estudos são inconclusivos por não terem seguido os protocolos científicos mais rigorosos.

Leia também:
Pioneiro no uso de cloroquina contra coronavírus, médico francês é alvo de controvérsia
Forças Armadas ampliam produção de álcool em gel e cloroquina
O que Bolsonaro, Mandetta, a OMS e os hospitais de ponta dizem sobre a cloroquina


Ao apresentar os resultados, Lacerda ressalvou que as conclusões são preliminares e que os números podem estar dentro de uma margem de confiança, mas que os resultados reforçam a continuidade do tratamento com cloroquina.

"Apesar de esse benefício não ser tão superior, houve algum pequeno benefício. A gente vai continuar incluindo pessoas no uso de cloroquina", afirma o infectologista.

Lacerda faz parte da equipe que trabalha no hospital Delphina Aziz, que passou a atender exclusivamente pacientes com Covid-19 ou sob suspeita de infecção. Até domingo (5), o Amazonas havia registrado 417 casos, com 15 óbitos.

O estudo dividiu pacientes em dois grupos, com doses diferentes de cloroquina, medicamento com efeitos antiinflamatários e é usado para tratar malária, doença endêmica na Amazônia.

Segundo Lacerda, uma dosagem tem sido usada pelos EUA e recomendada pelo Ministério da Saúde e outra, mais alta, foi adotada pela China. "A nossa conclusão é que a dose muito alta, feita por dez dias, tem mais toxicidade e levou mais pacientes para internação", afirmou. "Em dose mais alta, a cloroquina pode, sim, dar arritmias graves e levar à morte.”

Por outro lado, afirma o infectologista, a dose mais baixa de cloroquina não mata e nem traz mais malefícios ao paciente. Ele reforçou que os resultados não são conclusivos e que uma pesquisa desse tipo levaria um ano, e não duas semanas.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Grupo suspeito de furtar caixas eletrônicos em Maceió é detido no Grande Recife
FLAGRANTE

Grupo suspeito de furtar caixas eletrônicos em Maceió é detido no Grande Recife

Anvisa encerra análise de pedido de uso emergencial da Covaxin
SAÚDE

Anvisa encerra análise de pedido de uso emergencial da Covaxin