EUA acusa China e Rússia de cooperar para divulgar mentiras sobre coronavírus

No final de março, e após uma conversa telefônica entre Donald Trump e Xi Jinping, as duas potências chegaram a uma trégua informal

Presidente Donald TrumpPresidente Donald Trump - Foto: Doug Mills/Pool/AFP

Os Estados Unidos acusaram a China e a Rússia nesta sexta-feira de aumentar sua cooperação para divulgar um relato falso da pandemia do novo coronavírus e disse que Pequim está cada vez mais aplicando técnicas aperfeiçoadas por Moscou.

"Mesmo antes da crise do Covid-19, tínhamos avaliado um certo nível de coordenação entre a Rússia e a República Popular da China no campo da propaganda", disse Lea Gabrielle, coordenadora de uma agência do Departamento de Estado responsável por de rastrear propaganda estrangeira. "Mas com essa pandemia, a cooperação se acelerou rapidamente", disse Gabrielle a jornalistas.

Segundo a coordenadora, esses dois países procuram influenciar a opinião pública para gerar um relato da pandemia que sirva "a seus próprios fins".

Leia também:
China e EUA se comprometem a implementar acordo comercial apesar da pandemia
Vídeo com ironias aos EUA reflete China mais assertiva em sua política externa


Esse setor do Departamento de Estado, o Global Engagement Center, havia relatado em fevereiro que milhares de contas vinculadas à Rússia nas redes sociais propagavam teorias de conspiração coordenadas, segundo as quais os Estados Unidos estão por trás do surto do vírus Covid-19.

A China também irritou os Estados Unidos quando um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores escreveu um tuíte que, sem provas, afirmava que os militares dos EUA haviam trazido o coronavírus para Wuhan, cidade onde a pandemia se originou.

No final de março, e após uma conversa telefônica entre Donald Trump e Xi Jinping, as duas potências chegaram a uma trégua informal.

As tensões, no entanto, aumentaram novamente depois que o governo Trump acusou as autoridades chinesas de terem demorado a alertar o mundo para a pandemia e de ocultar sua extensão, apontando-as como "responsáveis" pela propagação planetária do vírus, pela morte centenas de milhares de pessoas e pela atual crise econômica sem precedentes.

Além disso, Trump e seu secretário de Estado, Mike Pompeo, insistem em suas suspeitas de que o vírus tenha se originado em um laboratório na China, algo que tanto a Organização Mundial de Saúde como o principal consultor científico da Casa Branca rejeitam por falta de provas.

Pompeo "não pode apresentar evidências", respondeu a diplomacia chinesa, "porque não tem nenhuma".

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, se posicionou ao lado de Pequim ao denunciar nesta sexta-feira em uma ligação telefônica com Xi "as tentativas de certas forças de usarem a epidemia como pretexto para acusar a China", segundo a agência oficial da Xinhua. "A Rússia apoiará fortemente a China", acrescentou.

De acordo com o Global Engagement Center, a China voltou a intensificar sua campanha de informações on-line em defesa de sua gestão da pandemia, que matou 270.000 pessoas em todo o mundo.

"Pequim está se adaptando em tempo real e usando mais e mais técnicas que Moscou aplica há muito tempo", acrescentou Gabrielle.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

EUA destacam 'metas promissoras' de Bolsonaro para proteção ambiental
Diplomacia

EUA destacam 'metas promissoras' de Bolsonaro para proteção ambiental

STF inicia julgamento sobre validade de acordos coletivos de trabalho
Justiça

STF inicia julgamento sobre validade de acordos coletivos de trabalho