Guerra na Ucrânia

EUA anunciam novos envios de armas à Ucrânia e pedem à China que se distancie da Rússia

Presidente norte-americano anunciou ainda o enviou de 225 milhões de dólares em assistência humanitária para a Ucrânia

O presidente Joe Biden anunciou nesta quarta-feira (15) novos envios de armas à UcrâniaO presidente Joe Biden anunciou nesta quarta-feira (15) novos envios de armas à Ucrânia - Foto: Saul Loeb/AFP

Os Estados Unidos anunciaram nesta quarta-feira (15) novos envios de armas à Ucrânia, que as solicita para tentar impedir a conquista da região do Donbass pelas tropas russas, e pediram à China que não fique "no lado errado da História" alinhando-se a Moscou.

A remessa, no valor de 1 bilhão de dólares, inclui artilharia, sistemas de defesa anti-navio, munição e sistemas avançados de mísseis já usados pela Ucrânia. "Reafirmei meu compromisso de que os Estados Unidos estarão com a Ucrânia na defesa de sua democracia e sua soberania e integridade territorial diante de uma agressão russa não provocada", disse Biden, segundo um comunicado.

O presidente também anunciou 225 milhões de dólares em assistência humanitária para a Ucrânia. O dinheiro será destinado a alimentos, água potável, suprimentos médicos e outros bens essenciais. "A coragem, resiliência e determinação do povo ucraniano continuam a inspirar o mundo", disse Biden.

Em nota, o Pentágono detalhou que o material militar inclui especialmente 18 obuses Howitzers com seus veículos de transporte e 36.000 obuses, além de lançadores de mísseis antinavios Harpoon destinados à defesa costeira da Ucrânia no mar do Norte.

Os Estados Unidos também planejam enviar foguetes guiados de alta precisão para os quatros sistemas Himars prometidos à Ucrânia no início de junho que devem chegar ao campo de batalha no final do mês, informou um alto funcionário que pediu anonimato e não quis especificar o número de foguetes destinados a Kiev.

Mas Washington não despachará imediatamente os lançadores Himar, já que primeiro quer garantir que sejam empregados com sucesso.

O sistema Himars, que transporta seis foguetes com um alcance de mais de 70 quilômetros - o dobro dos obuses americanos já utilizados em campo de batalha -, poderia dar aos ucranianos um maior distância de tiro e mais precisão na região do Donbass, no leste do país, onde se concentram os principais combates.

Em Bruxelas, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, pediu nesta quarta-feira (15) aos países ocidentais que mantenham o compromisso com a Ucrânia e enviem as armas que Kiev solicita com veemência para resistir à invasão russa.

Quase 50 ministros de Defesa, incluindo o ucraniano Oleksiy Reznikov, participaram do encontro paralelo a uma reunião da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

"Não podemos nos dar o luxo de cruzar os braços e não podemos perder força. O que está em jogo é muito grande. A Ucrânia enfrenta um momento crucial no campo de batalha", acrescentou.

O principal tópico de discussão é como atender à demanda por armas pesadas e em maiores quantidades para responder ao avanço russo sobre o Donbass. "Bruxelas, esperamos uma decisão", tuitou Myjailo Podoliak, assessor da presidência ucraniana.

A Ucrânia resiste à invasão com apoio econômico e militar ocidental, mas pede o envio de armas pesadas e em maior quantidade para conter o avanço russo no Donbass.

'Situação muito crítica'
O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, destacou a "necessidade urgente" de aumentar as entregas de armas modernas à Ucrânia. No entanto, alertou que será preciso tempo para estrear as forças ucranianas no uso desse novo armamento.

"É um fato que, com a transição das armas da era soviética para as armas mais modernas da Otan, também precisaremos de um pouco de tempo para que os ucranianos estejam prontos para usar e operar esses sistemas", apontou em coletiva de imprensa.

A Rússia, por sua vez, tenta interceptar as entregas de armas ocidentais e anuncia periodicamente que destruiu carregamentos fornecidos pela Otan.

Apoio da China à Rússia
O presidente chinês Xi Jinping garantiu nesta quarta-feira ao russo Vladimir Putin o apoio de Pequim em questões de "soberania" e "segurança" durante uma conversa por telefone. 

"A China está disposta a continuar o apoio mútuo com a Rússia em questões de soberania, segurança e outras questões de interesse fundamental e preocupações importantes", disse Xi, segundo um comunicado da agência oficial de notícias Xinhua.

A transcrição da conversa não cita exemplos específicos, como Ucrânia ou Taiwan.

O Kremlin, por sua vez, informou que os dois líderes concordaram em "expandir a cooperação nos campos de energia, financeiro, industrial, transporte e outros, levando em conta a situação econômica global que foi prejudicada por sanções ocidentais ilegítimas".

"O alinhamento da China à Rússia nos preocupa", indicou um porta-voz da diplomacia americana, que não quis ser identificado. "A China diz ser neutra, mas seu comportamento deixa claro que ainda investe em laços estreitos com a Rússia. Os países que escolhem o lado de Vladimir Putin irão se situar, inevitavelmente, no lado errado da História", advertiu.

Diante das sanções ocidentais, a gigante russa de hidrocarbonetos Gazprom anunciou nesta quarta-feira uma nova redução em suas entregas de gás para a Europa através do gasoduto Nord Stream, argumentando que foi forçada a paralisar equipamentos da fabricante alemã Siemens.

A redução do fluxo por esse gasoduto submarino que leva gás da Rússia à Alemanha pelo mar Báltico chega a 60% em dois dias.

A Alemanha considerou, no entanto, que a Gazprom buscava com essas medidas "aumentar o preço do gás".

Bombardeios constantes
Autoridades ucranianas admitiram que perderam o controle do centro de Severodonetsk, no Donbass, uma região já controlada em grande parte por separatistas pró-russos desde 2014.

Segundo o prefeito de Severodonetsk, Oleksandre Striuk, uma parte das tropas ucranianas está entrincheirada -com mais de 500 civis- em Azot, uma enorme planta química dessa cidade, que tinha 100.000 habitantes antes da guerra.

A Rússia acusou a Ucrânia de ter impedido a criação de um "corredor humanitário" para evacuar os civis dessa instalação. "Autoridades de Kiev fizeram fracassar cinicamente a operação humanitária", afirmou o Ministério da Defesa russo.

A presidência ucraniana confirmou que os ataques russos contra Severodonetsk e a vizinha Lysychansk continuavam, sem dar mais detalhes. Até agora, Kiev desmente que suas tropas estejam cercadas.

Assim como Severodonetsk, Lysychansk está praticamente vazia de habitantes e sem eletricidade. "Os russos bombardeiam constantemente o centro da cidade", disse à AFP um polícia. 

'Sinais políticos claros'
Kiev espera uma decisão antes de 24 de junho sobre sua solicitação de ser aceita como candidato oficial à adesão à União Europeia (UE), o que supõe o início de um processo e negociação que pode durar anos.

Segundo meios de comunicação alemães, o presidente francês Emmanuel Macron, cujo país exerce a presidência semestral da UE, visitará Kiev na quinta-feira ao lado dos chefes de governo da Alemanha, Olaf Scholz, e da Itália, Mario Draghi.

Esta será a primeira visita dos dirigentes das três principais economias europeias desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro.

"Creio que estamos em um momento no qual necessitamos enviar sinais políticas claros, como União Europeia, para a Ucrânia e o povo ucraniano, que está resistindo heroicamente há vários meses", disse Macron durante uma visita a uma base da Otan na Romênia. 

Veja também

Mulher dá a luz em banheiro do Shopping Recife, na Zona Sul da capital pernambucana
Parto

Mulher dá a luz em banheiro do Shopping Recife, na Zona Sul da capital pernambucana

Trump diz que sua casa na Flórida foi alvo de buscas do FBI
EUA

Trump diz que sua casa na Flórida foi alvo de buscas do FBI