Estados Unidos

EUA apoia 'direito' de Israel 'se defender' e pede proteção a civis

Washington, principal aliado de Israel, também pediu a retomada da cooperação em matéria de segurança entre o Estado judeu e as forças de segurança palestinas

Israel intensificou as operações no norte da Cisjordânia, lar da cidade de Jenin e seu campo de refugiados adjacente, um reduto de grupos armados palestinos onde houve uma série de ataques a israelenses.Israel intensificou as operações no norte da Cisjordânia, lar da cidade de Jenin e seu campo de refugiados adjacente, um reduto de grupos armados palestinos onde houve uma série de ataques a israelenses. - Foto: Jaafar Ashitiyeh/AFP

Os Estados Unidos afirmaram, nesta segunda-feira (3), que Israel tem o direito de "defender sua população" dos militantes islamistas, mas pediu que os civis sejam protegidos, após uma operação do Exército israelense que deixou oito mortos na Cisjordânia ocupada.

"Apoiamos a segurança de Israel e o seu direito de defender sua população contra o Hamas, a Jihad Islâmica palestina e outros grupos terroristas", disse um porta-voz do Departamento de Estado.

"É imperativo tomar todas as precauções possíveis para evitar a perda de vidas civis", acrescentou. O governo do presidente Joe Biden tem pedido repetidamente moderação tanto a Israel quanto aos palestinos.

v. Além disso, criticou o governo de extrema direita do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu pelo aumento dos assentamentos em territórios ocupados.

Oito pessoas morreram e outras 50 ficaram feridas na cidade de Jenin, no norte da Cisjordânia, na maior operação do Exército israelense em anos.

Veja também

Explosão em café deixa cinco mortos na capital da Somália
ATENTADO

Explosão em café deixa cinco mortos na capital da Somália

Militantes fazem ato esvaziado contra Lula e Moraes e com exaltação a Trump
MANIFESTAÇÃO

Militantes fazem ato esvaziado contra Lula e Moraes e com exaltação a Trump

Newsletter