Reféns

EUA diz que o Hamas não quer que as mulheres reféns falem

Israel interrompeu sua ofensiva em Gaza como parte de um acordo negociado pelo Catar e pelos Estados Unidos

Membros das Brigadas al-Qassam, braço militar do HamasMembros das Brigadas al-Qassam, braço militar do Hamas - Foto: Mahmud Hams / AFP

Os esforços para prolongar uma "pausa" nos combates entre Israel e o Hamas em Gaza falharam em parte porque o movimento islâmico palestino não queria que as mulheres reféns revelassem o que sofreram, afirmou nesta segunda-feira (4) um alto funcionário americano.

Israel interrompeu sua ofensiva em Gaza como parte de um acordo negociado pelo Catar e pelos Estados Unidos, que previu a liberação dos reféns sequestrados pelo Hamas durante o ataque de 7 de outubro.

Na sexta-feira, as autoridades israelenses anunciaram a retomada da ofensiva militar porque o Hamas não havia liberado todas as reféns.

"Parece que uma das razões pelas quais eles não querem entregar às mulheres que têm como reféns e a razão pela qual essa pausa falhou é que eles não querem que essas mulheres possam falar sobre o que passaram durante o tempo sob detenção", disse o porta- voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, aos jornalistas.

Ele não quis dar detalhes, alegando que o assunto é delicado, mas afirmou que os Estados Unidos "não têm motivo para duvidar" das informações de violência sexual atribuídas ao Hamas.

“Há muito poucas coisas que eu acredito que o Hamas não seja capaz no que diz respeito ao tratamento de cidadãos e, em particular, das mulheres”, declarou Miller.

A polícia israelense afirma estar investigando supostos atos de violência sexual durante o ataque de 7 de outubro, quando membros do Hamas mataram cerca de 1.200 pessoas, na sua maioria civis, segundo as autoridades israelenses. Isso inclui estupros coletivos e mutilações de cadáveres.

Os investigadores israelenses coletaram “mais de 1.500 depoimentos”, indicaram um agente na semana passada ao Parlamento israelense. São mencionados "jovens nuas acima e abaixo da cintura" e denunciados o estupro em grupo, a mutilação e o assassinato de uma jovem.

O Hamas rejeitou as acusações de violência sexual, qualificando-as como “mentiras”.

Veja também

AIEA tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica
Irã

AIEA tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica

Macron anuncia "coalizão" de países para envio de mísseis de maior alcance à Ucrânia
Emmanuel Macron

Macron anuncia "coalizão" de países para envio de mísseis de maior alcance à Ucrânia