Notícias

EUA dizem que hackers chineses tentam roubar pesquisas sobre vacinas para a Covid-19

Os ataques seriam organizados por criminosos "frequentemente ligados a outros setores estatais"

Covid-19Covid-19 - Foto: Pixabay

O FBI (Federal Bureau of Investigation) e especialistas em segurança cibernética dos Estados Unidos acreditam que hackers chineses estão tentando roubar pesquisas sobre o desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus, segundo dois jornais informaram nesta segunda-feira (11).

O FBI e o Departamento de Segurança Interna planejam lançar um alerta sobre os hackers chineses, enquanto que governos e empresas privadas estão na corrida para desenvolver uma vacina para a COVID-19, relataram o Wall Street Journal e o New York Times.

Leia também:

EUA acusa China e Rússia de cooperar para divulgar mentiras sobre coronavírus

Trump descarta renegociar acordo comercial com a China 

Os hackers também estariam procurando por informações e propriedade intelectual em tratamentos e testes para a COVID-19.

Autoridades dos EUA alegaram que os hackers estão ligados ao governo chinês, segundo os relatórios.

O aviso oficial americano sobre a situação pode ser divulgado em alguns dias.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Pequim, Zhao Lijian, rejeitou a acusação, dizendo que a China é firmemente contrária a todos os tipos de ataques cibernéticos.

"Estamos liderando o mundo no tratamento e na pesquisa de vacinas para a COVID-19. É imoral atacar a China com boatos e calúnias na falta de qualquer evidência", ressaltou Zhao.

Questionado sobre os relatórios, o presidente Donald Trump não os confirmou, mas disse: "O que há de novo na China? O que mais há de novo? Diga-me. Não estou feliz com a China".

"Estamos observando eles de perto", acrescentou.

O aviso emitido pelos EUA integraria uma série de alertas e relatórios nos quais acusam-se hackers apoiados pelo governo em países como Irã, Coreia do Norte, Rússia e China de atividades maliciosas relacionadas à pandemia, como a divulgação de notícias falsas para trabalhadores e cientistas.

Diante desse cenário, o New York Times disse que poderia ser o início de contra-ataques oficiais autorizados por agências americanas relacionadas à guerra cibernética, incluindo o Cyber Command do Pentágono e a Agência de Segurança Nacional.

Na última semana, O Reino Unido e os Estados Unidos alertaram em uma mensagem conjunta sobre o aumento do número de ataques cibernéticos contra profissionais de saúde envolvidos no combate ao coronavírus.

Os ataques seriam organizados por criminosos "frequentemente ligados a outros setores estatais".

O Centro Nacional de Segurança Cibernética do Reino Unido e a Agência de Infraestrutura e Segurança Cibernética dos EUA disseram ter detectado atividades de roubo de senhas em larga escala - hackers que tentam acessar coorganizações de saúde e de pesquisa médica. 

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Maior polo gesseiro do Brasil é alvo de megaoperação contra furto de energia elétrica
Ação conjunta

Maior polo gesseiro do Brasil é alvo de megaoperação contra furto de energia elétrica

Chile se desculpa com mulher esterilizada por ser portadora do HIV
Reconhecimento de responsabilidade

Chile se desculpa com mulher esterilizada por ser portadora do HIV