Drones

EUA e China travam embate para desenvolver batalhões de drones baratos controlados por IA

Os planejadores imaginam um cenário em que centenas, até milhares de máquinas se envolvam em uma batalha coordenada

Bandeira da China Bandeira da China  - Foto: Greg Baker/AFP

À medida que a rivalidade se intensifica, militares dos EUA e da China preparam-se para um novo tipo de guerra em que esquadrões de drones aéreos e marítimos equipados com inteligência artificial trabalham em conjunto como um enxame de abelhas para dominar um inimigo.

Os planejadores imaginam um cenário em que centenas, até milhares de máquinas se envolvam em uma batalha coordenada. Um único controlador pode supervisionar dezenas de drones. Alguns explorariam, outros atacariam. Alguns seriam capazes de se orientar para novos objetivos no meio de uma missão baseada em uma programação prévia, em vez de uma ordem direta.

As únicas superpotências de IA do mundo estão envolvidas em uma corrida armamentista por enxames de drones que faz lembrar a Guerra Fria, exceto que a tecnologia dos drones será muito mais difícil de conter do que as armas nucleares. Como o software impulsiona as capacidades de enxame dos drones, poderia ser relativamente fácil e barato para nações e militantes desonestos adquirirem as suas próprias frotas de robôs assassinos.

O Pentágono está promovendo o desenvolvimento urgente de drones baratos e descartáveis para usar contra a China em meio aos planos de reivindicação territorial chinesa sobre Taiwan. Washington diz que não tem escolha senão acompanhar o ritmo de Pequim. As autoridades chinesas dizem que as armas habilitadas para IA são inevitáveis, por isso também devem tê-las.

Os drones têm sido uma prioridade para ambas as potências há anos e cada lado manteve os seus avanços em segredo, por isso não está claro qual país poderá ter vantagem.

Não está claro quantos drones uma única pessoa controlaria. Um porta-voz do secretário de Defesa recusou-se a dizer, mas um estudo recentemente publicado e apoiado pelo Pentágono oferece uma pista: um único operador supervisionou um enxame de mais de 100 drones aéreos e terrestres baratos no final de 2021, em um exercício de guerra urbana em um local de treino do Exército no Tennessee.

Para não ficar atrás, os militares da China alegaram no ano passado que dezenas de drones aéreos "se auto-curaram" depois de terem cortado as suas comunicações. Um documento oficial disse que eles se reagruparam, passaram a se orientar sozinhos e completaram uma missão de busca e destruição sem ajuda, detonando drones carregados de explosivos contra um alvo.

Veja também

Sono regenerador: chave para uma vida saudável
SAÚDE E BEM-ESTAR

Sono regenerador: chave para uma vida saudável

Valdemar afirma ter sido comunicado por Tarcísio sobre filiação ao PL: 'Ele vem antes das eleições'
troca de partido

Valdemar afirma ter sido comunicado por Tarcísio sobre filiação ao PL: 'Ele vem antes das eleições'

Newsletter