Crise Internacional

EUA e Rússia se culpam por agravamento da insegurança alimentar

Governo norte-americano pede que Rússia libere exportações de cereais ucranianos

Joe Biden e Vladimir PutinJoe Biden e Vladimir Putin - Foto: Jim Watson, Grigory Dukor / AFP

Os Estados Unidos e a Rússia se culparam mutuamente nesta quinta-feira (19), no Conselho de Segurança da ONU, pelo agravamento da insegurança alimentar no mundo, e Washington pediu a Moscou que permita as exportações de grãos ucranianos bloqueados nos portos do Mar Negro. 

"Parem de bloquear os portos do Mar Negro! Autorizem a livre circulação dos navios, trens e caminhões que transportam alimentos para fora da Ucrânia", pediu o chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, em reunião do Conselho de Segurança convocada pelos Estados Unidos.

"Parem de ameaçar suspender as exportações de alimentos e fertilizantes para países que criticam a sua guerra de agressão", acrescentou. Segundo Blinken, "o Exército russo literalmente sequestrou o suprimento de alimentos de milhões de ucranianos e milhões de pessoas no mundo".

O embaixador russo na ONU, Vassily Nebenzia, refutou categoricamente as acusações ocidentais, que consistem em "culpar a Rússia por todos os problemas do mundo", segundo ele. A crise alimentar mundial existe há tempos e suas causas profundas obedecem a uma "espiral inflacionária" alimentada pelo aumento dos custos dos seguros, fluxos logísticos difíceis e "especulações nos mercados ocidentais", disse o diplomata russo.

Os portos ucranianos estão bloqueados pela Ucrânia, pelas minas espalhadas pelo país ao longo da costa do Mar Negro e pela falta de vontade de cooperação de Kiev com os armadores para liberar dezenas de navios estrangeiros, acrescentou Nebenzia. O diplomata russo voltou a denunciar a imposição de sanções ocidentais contra o seu país, assegurando que suas consequências agravam a insegurança alimentar. 

"As sanções não bloqueiam os portos do Mar Negro, não imobilizam os navios cheios de alimentos nem destroem as estradas e ferrovias ucranianas", afirmou Blinken. "As sanções não impedem a Rússia de exportar alimentos ou fertilizantes, uma vez que excluem deliberadamente os alimentos, fertilizantes e sementes procedentes da Rússia", ressaltou o secretário de Estado, para quem "a decisão de converter os alimentos em arma é apenas de Moscou".

Na véspera, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, havia pedido à Rússia para liberar as exportações de grãos ucranianos, e ao Ocidente, que permitisse a entrada de fertilizantes russos nos mercados internacionais.

Veja também

Bispo mexicano propõe 'pacto social' que inclua traficantes de drogas
México

Bispo mexicano propõe 'pacto social' que inclua traficantes de drogas

Festa do Carmo interdita faixa da Av. Dantas Barreto, no Centro do Recife
PADROEIRA DO RECIFE

Festa do Carmo interdita faixa da Av. Dantas Barreto, no Centro