Autoridade Palestina

EUA elogia reforma da Autoridade Palestina após renúncia de premiê

O porta-voz se recusou a comentar diretamente a renúncia do primeiro-ministro Mohammed Shtayyeh

PalestinaPalestina - Foto: Mohammed Huwais / AFP

Os Estados Unidos elogiaram as reformas da Autoridade Palestina como um passo adiante para a reunificação da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, esta última devastada pela guerra, após a renúncia de seu primeiro-ministro.

"Damos as boas-vindas às medidas adotadas pela AP para se reformar e revitalizar", disse o porta-voz do Departamento de Estado americano, Matthew Miller, à imprensa, usando as iniciais em inglês da Autoridade Palestina.

Miller disse que o secretário de Estado, Antony Blinken, incentivou a Autoridade Palestina "a adotar essas medidas" durante as discussões com o presidente Mahmoud Abbas.

"Achamos que essas medidas são positivas. Acreditamos que são um avanço importante para alcançar uma Gaza e uma Cisjordânia reunificadas sob a Autoridade Palestina", acrescentou Miller.

O porta-voz se recusou a comentar diretamente a renúncia do primeiro-ministro Mohammed Shtayyeh, dizendo que era um assunto interno dos palestinos.

Shtayyeh apresentou sua renúncia a Abbas, de 88 anos, apontando para a necessidade de uma mudança devido à "nova realidade" na Faixa de Gaza, governada por seu rival político Hamas.

Israel lançou uma campanha militar implacável em Gaza após os ataques de militantes do Hamas em 7 de outubro em solo israelense.

A liderança palestina tem sido dividida desde 2007, e a Autoridade Palestina exerce poder limitado na Cisjordânia.

Blinken instou a Autoridade Palestina, sediada em Ramallah, a exercer controle sobre a Faixa de Gaza após a guerra, uma ideia que não foi recebida com entusiasmo pelo governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que se opõe à criação de um Estado palestino.

Veja também

Cientistas fazem alerta sobre qual vírus deve causar próxima pandemia
SAÚDE

Cientistas fazem alerta sobre qual vírus deve causar próxima pandemia

Bombardeios israelenses matam 18 em Rafah após aprovação de ajuda econômica dos EUA
guerra no oriente médio

Bombardeios israelenses matam 18 em Rafah após aprovação de ajuda econômica dos EUA

Newsletter