EUA registram 1 milhão de casos de Covid-19 em meio a plano de reabertura

A preocupação é que haja uma segunda onda de transmissões com o relaxamento precoce das medidas de isolamento

Nova YorkNova York - Foto: Cindy Ord/AFP

Os EUA registraram nesta terça-feira (28) 1 milhão de casos confirmados de Covid-19, marca inédita entre os 185 países impactados pela pandemia. O patamar alarmante foi atingido 12 dias depois que o presidente Donald Trump anunciou um plano para a reabertura econômica dos estados americanos.

Os EUA já eram líderes em diagnósticos e número de vítimas em decorrência do coronavírus desde 11 de abril, quando ultrapassaram a Itália e se tornaram o epicentro da doença, mas romper a barreira do milhão conferiu novos contornos à situação da crise no país.

Segundo dados da Universidade Johns Hopkins, os EUA registraram nesta terça 1.002.498 casos e 57.266 mortes por Covid-19. O segundo colocado é a Espanha, com 232.128 diagnósticos e 23.822 mortes. No mundo, são 3.074.948 infectados e 213.273 vítimas no total.

Os números podem ser ainda maiores, já que não há um programa de testagem considerado suficiente para indicar o estágio das transmissões em diversos países, inclusive nos EUA.

Leia também:
Brasil registra 338 novas mortes por coronavírus nas últimas 24h
Pernambuco registra 366 novos infectados e 58 mortes pela Covid-19 em 24h


As mortes entre americanos quase dobraram em dez dias e chegaram a mais de 57 mil em meio a protestos incentivados por Trump para a reabertura do país. O presidente se preocupa com o impacto que os danos econômicos da pandemia terão sobre sua campanha à reeleição - 26 milhões de pessoas já pediram acesso ao seguro-desemprego nos EUA desde março e mais de 70% dizem que suas rendas diminuíram com a crise.

No dia 16 de abril, Trump então anunciou as diretrizes para a reabertura econômica, deixando na mão dos governadores a decisão sobre os prazos para a retomada das atividades. Em diversas regiões, como Nova York e Califórnia, a curva dos casos e mortes começou a cair nos últimos dias, mas estados do meio-oeste e do sul do país ainda não chegaram no pico da curva e enfrentam situações graves.

As diretrizes da Casa Branca estabelecem critérios para a reabertura gradual dos estados, como capacidade mínima hospitalar, diminuição sustentada de casos de Covid-19 por um período de pelo menos 14 dias e o alto nível de testagem da população.

Esse é justamente um dos principais problemas dos EUA, ainda muito distantes de um patamar de testes considerado ideal para o início de uma retomada segura.
Nesta segunda, a Casa Branca anunciou um programa de expansão dos testes nos estados em parcerias do governo federal com os governadores e também com o setor privado, mas ainda não há detalhes sobre o impacto prático dessa medida.

Pesquisadores da Universidade Harvard, por exemplo, afirmam que é preciso ter 500 mil testes diários para alcançar um bom nível antes da reabertura, e os EUA hoje fazem cerca de 145 mil por dia. A preocupação é que haja uma segunda onda de transmissões com o relaxamento precoce das medidas de isolamento.

Apesar das controvérsias, estados como Texas, Tennessee, Carolina do Sul e Geórgia, todos governados por políticos republicanos, do partido de Trump, colocaram em teste, em graus diferentes, ações para suspender o isolamento desde a semana passada.

Já governadores democratas, como os de Nova York, Michigan e Califórnia, dizem que vão seguir o processo de reabertura norteados pela ciência e especialistas em saúde pública, acompanhando a queda da curva do novo vírus ao mesmo tempo em que tentam ampliar a quantidade de testes.

Detroit, a maior cidade de Michigan, por exemplo, iniciou na semana passada um programa inédito de testagem de todos os trabalhadores de serviços essenciais, inclusive aqueles sem sintomas. De acordo com a prefeitura, essa é a forma de baixar o índice de transmissão da doença do patamar considerado estável.

Há pelo menos duas semanas, os EUA assistiam a uma média de 25 mil a 30 mil novas confirmações de infectados por dia, somado aos recordes de mortes também diários, que chegaram a mais de 2,1 mil vítimas no dia 10 de abril - primeira vez que se viu essa marca no mundo todo.

Desde o meio de abril, porém, projeções utilizadas como diretrizes da Casa Branca começaram a mostrar uma queda na curva de mortes e também no número de internações, este considerado pelos especialistas um indicativo mais objetivo sobre a melhora do cenário.

Em seu comportamento vacilante e, muitas vezes, sobrepondo-se aos conselhos de seu time de especialistas, Trump segue entusiasta da reabertura econômica e chegou a sugerir que as pessoas ingerissem desinfetante como forma de matar o vírus - depois, o presidente recuou e disse que estava sendo sarcástico.

O objetivo do republicano é tentar imprimir um verniz de normalidade aos EUA o quanto antes, para tentar evitar maior impacto na eleição presidencial marcada para 3 de novembro.

Pesquisas recentes mostram que sua popularidade caiu ao menos 6 pontos desde o meio de março e que o democrata Joe Biden, seu adversário na corrida à Casa Branca, lidera em estados considerados chave para a eleição americana, como Pensilvânia e Wisconsin.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Curso aprimora habilidade de idosos para identificar fake news
Educação

Curso aprimora habilidade de idosos para identificar fake news

Polícia Rodoviária: homem é detido com 22,9 Kg de maconha após fuga em Sertânia
PRF

Polícia Rodoviária: homem é detido com 22,9 Kg de maconha após fuga em Sertânia