EUA suspenderá voos de companhias chinesas a partir de 16 de junho

A suspensão será aplicada a partir de 16 de junho, mas poderá entrar em vigor mais cedo, se o presidente Donald Trump ordenar

Donald TrumpDonald Trump - Foto: Carlos Barria/POOL/AFP

Os Estados Unidos ordenaram a suspensão de voos de e para seu território operados por companhias aéreas chinesas, depois que Pequim não permitiu que as empresas americanas retomassem os serviços para a China.

"As companhias aéreas dos Estados Unidos pediram para retomar o serviço de passageiros desde 1º de junho. A recusa do governo chinês em aprovar esses pedidos é uma violação do nosso Acordo de Transporte Aéreo", disse o Departamento americano dos Transportes, em uma nota.

A suspensão será aplicada a partir de 16 de junho, mas poderá entrar em vigor mais cedo, se o presidente Donald Trump ordenar.

Leia também:
Trump diz que a 'incompetência' da China provocou 'um massacre mundial'
'Não quero pessoas infectando nosso povo', diz Trump ao repetir chance de vetar voos do Brasil


As companhias aéreas americanas reduziram, ou suspenderam, seus serviços para a China, devido à pandemia de Covid-19. As empresas United e Delta entraram, porém, com pedidos para retomar os voos no início de maio e não receberam permissão da Autoridade de Aviação Civil Chinesa (CAAC), informou o Departamento dos Transportes.

Em meio às crescentes tensões entre as maiores potências do mundo, a nova disputa está parcialmente focada na decisão da CAAC de definir a data de 12 de março como o limite para a atividade de companhias aéreas estrangeiras.

As americanas suspenderam todos os seus serviços, devido à pandemia, enquanto as chinesas continuaram a operar.

"A data arbitrária de 'referência'... efetivamente impede as companhias aéreas americanas de restabelecerem seus voos de passageiros de e para a China", diz a nota dos EUA.

O Departamento disse ainda que há indicações de que as companhias aéreas chinesas estão usando voos charter para contornar o limite de um voo por semana, de modo a aumentar sua vantagem sobre as empresas americanas.

O governo dos EUA afirmou que está pronto para anular sua decisão se Pequim atuar a favor das empresas americanas. Se Pequim ajustar sua política, estaremos "totalmente preparados para reexaminar a decisão".

"Nosso objetivo fundamental não é perpetuar essa situação, mas sim um ambiente melhor, no qual as companhias aéreas dos dois países possam exercer plenamente seus direitos bilaterais", afirmou o Departamento dos Transportes.

No início de janeiro e antes da pandemia, as companhias aéreas chinesas e americanas realizavam cerca de 325 voos semanais entre os dois países.

A interdição afetará sete empresas chinesas, incluindo gigantes como Air China e China Eastern Airlines, mas exclui os aviões de carga.

As relações sino-americanas se deterioraram nas últimas semanas com a multiplicação dos desacordos, incluindo a questão de Hong Kong.

A China deseja impor ao território semiautônomo uma lei de segurança que provocou protestos internacionais generalizados.

O projeto de lei aprovado pelo parlamento chinês, mas ainda não adotado definitivamente, prevê a punição de atividades separatistas, "terroristas", subversivas e a interferência estrangeira em Hong Kong.

Os EUA consideram que o território perde a autonomia que Pequim prometeu conceder e começou a rever o status preferencial do qual desfrutava Hong Kong, que até 1997 era uma colônia britânica.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Brasil registra 209,9 mil mortes e 8,48 milhões de casos da Covid-19
Coronavírus

Brasil registra 209,9 mil mortes e 8,48 milhões de casos da Covid-19

Pernambuco passa das 10 mil mortes pela Covid-19
Coronavírus

Pernambuco passa das 10 mil mortes pela Covid-19