EUA ultrapassam 200 mil casos de coronavírus

O número de mortos chegou aos 4.361

Donald TrumpDonald Trump - Foto: Drew Angerer / Getty Images North America / A

O número de infectados com o novo coronavírus nos Estados Unidos superou 200 mil, informou nesta quarta-feira o centro de referência que faz o balanço do país, a universidade Johns Hopkins.

Leia também:
Questionada sobre Bolsonaro, OMS diz que contenção de coronavírus inclui lockdown e testes
Mortos por coronavírus dobram em uma semana e OMS teme 'rápida escalada'


O número de mortos pela Covid-19 até agora nos Estados Unidos, país com mais infectados no mundo (203,6 mil), é de 4.361. 

Foi a primeira vez que a força-tarefa do governo Donald Trump apresentou números oficiais sobre o impacto do novo vírus na vida dos americanos e conferiu um tom mais sóbrio e realista ao presidente, que chegou a minimizar a pandemia.

A letalidade do coronavírus, porém, ainda é numericamente maior em países da Europa: na Itália são 110,5 mil casos e 13.155 mortes, e na Espanha, 102,1 mil casos e 9.053 mortos.

O total de casos do Covid-19 no mundo - que tem aumentado rápida e diariamente - chegou a mais de 911 mil nesta quarta, com 45,4 mil mortos.mA expectativa do governo americano é de que o pico de casos e mortes no país aconteça em 15 de abril.

Trump anunciou no domingo (29) a extensão de medidas de distanciamento social até 30 de abril, depois de ter dado diversas declarações de que era preciso reabrir os EUA até a Páscoa.

Ele foi convencido por dados e por assessores de que o pior ainda estava por vir e de que era preciso manter as pessoas em casa por mais tempo para tentar conter o vírus.

Nos EUA, o ritmo dos casos confirmados começou a crescer de forma vertiginosa no meio de março. Estados como Nova York, Nova Jersey e Califórnia são os mais afetados, mas outros focos críticos têm aparecido em Michigan e Flórida, por exemplo.

Com as medidas de isolamento - que variam de estado para estado- mais de 225 milhões de pessoas, ou 3 em cada 4 americanos, estão sob medidas restritivas no país.

De acordo com especialistas, a demora no processo dos testes para detectar o coronavírus deu a falsa impressão de que o perigo ainda não havia chegado aos EUA e deixou por muito tempo autoridades e população desarmadas, enquanto a transmissão se dava em marcha invisível e exponencial.

A confirmação do primeiro paciente com coronavírus nos EUA foi em 21 de janeiro.
Trump, que inicialmente minimizava a gravidade da pandemia, declarou estado de emergência nacional após 52 dias, em 13 de março. Menos de duas semanas depois, o país registrava 83.012 casos e 1.301 mortes, superando China e Itália e tornando-se o epicentro do vírus.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Fiocruz busca avaliar impactos do isolamento social por conta da Covid-19
Pesquisa

Fiocruz busca avaliar impactos do isolamento social por conta da Covid-19

Em depoimento sobre ferimentos, Joice Hasselmann critica Heleno e diz não confiar na PF
DEPOIMENTO

Em depoimento sobre ferimentos, Joice Hasselmann critica Heleno e diz não confiar na PF