EUA ultrapassam 3.400 mortes e superam China em número de vítimas do coronavírus

O estado de Nova York registra quase metade do total de mortos pelo novo vírus nos EUA, com 1.550 vítimas

CoronavírusCoronavírus - Foto: Kenzo Tribouillard/AFP

Os EUA registraram nesta terça-feira (31) mais de 3.400 mortes confirmadas por coronavírus e ultrapassaram a China no número de vítimas da pandemia. Segundo dados divulgados pela Universidade Johns Hopkins, os EUA alcançaram 175 mil casos e 3.415 mortes na tarde desta terça, enquanto a China tinha 82,2 mil casos e 3.309 mortes.

O estado de Nova York registra quase metade do total de mortos pelo novo vírus nos EUA, com 1.550 vítimas. A letalidade, porém, ainda é numericamente maior em países da Europa: na Itália são 105,7 mil casos e 12.428 mortes, e na Espanha, 94,4 mil casos e 8.269 mortos.

O total de casos de Covid-19 no mundo tem aumentado rápida e diariamente e chegou a mais de 800 mil nesta terça, com 39,5 mil mortes. A expectativa do governo americano é de que o pico de casos e mortes no país aconteça em duas semanas, em 15 de abril.

Leia também:
Ditador do Turcomenistão proíbe o uso da palavra coronavírus no país
Mundo passa de 800 mil casos confirmados do coronavírus


O presidente Donald Trump anunciou no domingo (29) a extensão de medidas de distanciamento social até 30 de abril, depois de ter dado diversas declarações de que era preciso reabrir os EUA até a Páscoa.

Ele foi convencido por dados e assessores de que o pior ainda estava por vir e era preciso manter as pessoas em casa por mais tempo para tentar conter o avanço do novo vírus.

Nos EUA, o ritmo de crescimento dos casos confirmados começou a crescer de forma vertiginosa no meio de março. Estados como Nova York, Nova Jersey e Califórnia são os mais afetados, mas outros focos críticos têm aparecido em Michigan e Flórida, por exemplo.

Com as medidas de isolamento, que variam de estado para estado, mais de 225 milhões de pessoas, ou 3 em cada 4 americanos estão sob medidas restritivas no país atualmente.

De acordo com especialistas, a demora no processo dos testes para detectar a Covid-19 deu a falsa impressão de que o perigo ainda não havia chegado aos EUA e deixou por muito tempo autoridades e população desarmadas, enquanto a transmissão se dava em marcha invisível e exponencial.

A confirmação do primeiro paciente com diagnóstico de coronavírus nos EUA foi em 21 de janeiro. Trump, que inicialmente minimizava a gravidade da pandemia, declarou estado de emergência nacional após 52 dias, em 13 de março. Menos de duas semanas depois, o país registrava 83.012 casos e 1.301 mortes, superando China e Itália e tornando-se o epicentro do vírus.

Nesta segunda-feira (30), os EUA romperam a marca dos 150 mil casos mostrando que ainda não conseguiram frear a curva do vírus. Em um dia, 25 mil novos casos e um novo salto. Segundo levantamento da Kaiser Family Foundation, dos 50 estados americanos, 44 limitaram atividades de bares e restaurantes, 46 fecharam escolas, e 28 estão com a ordem de manter os cidadãos em casa.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Empresa poderá vacinar contra Covid em clínica, diz entidade
Vacina

Empresa poderá vacinar contra Covid em clínica, diz entidade

Em meio à crise, Brasil envia maior avião de carga para treinar nos EUA
FAB

Em meio à crise, Brasil envia maior avião de carga para treinar nos EUA