França

Ex-CEO da Renault-Nissan, Carlos Ghosn é alvo de nova ordem de prisão

Ex-executivo já tinha sido alvo de ordem de prisão internacional emitida em abril de 2022

Carlos GhosnCarlos Ghosn - Foto: Reprodução

Um juiz de instrução de um tribunal de Paris emitiu uma ordem de prisão internacional contra o brasileiro Carlos Ghosn, que mora no Líbano, em uma investigação sobre contratos aprovados por uma filial da empresa automotiva Renault-Nissan, informou, nesta terça-feira, uma fonte próxima ao caso.

Tecnologia: Facebook perde batalha na Justiça da UE em caso envolvendo abuso de poder de mercado e proteção de dados

O ex-executivo, que também tem nacionalidade francesa e libanesa, já tinha sido alvo de uma ordem de prisão internacional emitida em abril de 2022 por um juiz de instrução de Nanterre, em investigações sobre abuso de ativos corporativos e lavagem de dinheiro.

No ano passado, promotores franceses haviam emitido um mandado de prisão internacional contra ele e outras quatro pessoas que estariam ligadas a uma concessionária em Omã, que teriam ajudado o ex-gigante do ramo automobilístico a desviar milhões da Renault.

Na ocasião, os mandados de prisão afetaram também donos ou ex-diretores da Suhail Bahwan Automobiles, concessionária omani. Entre os usos do dinheiro que teria sido desviado da Renault para o bolso de Ghosn, através da empresa do ramo automobilístico no Oriente Médio, consta a compra de um iate de 120 pés — cerca de 36 metros.

No final de 2019, o magnata saiu de forma inesperada do Japão, onde estava enfrentando um julgamento por irregularidades financeiras, para o Líbano, sua terra-natal. À época, ele alegou que não iria mais ser "refém de uma justiça japonesa manipuladora".

Sua fuga espetacular teve um roteiro de cinema e envolveu, além da ajuda de ex-militares de elite, viagem de trem bala, disfarce com chapéu e máscara cirúrgica, num tempo em que a pandemia ainda estava bem no início. Ele também é acusado de fraude financeira, durante o período em que esteve à frente da Nissan.

Veja também

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29
COP29

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29

FMI aprova desembolso de US$ 800 milhões para Argentina
Argentina

FMI aprova desembolso de US$ 800 milhões para Argentina

Newsletter