GUERRA

Ex-colaborador de Navalny pede sanções contra pessoas próximas a Putin

Navalny, considerado como o mais notório opositor a Putin, morreu aos 47 anos em uma prisão no ártico russo

 Flores são vistas colocadas ao redor de um retrato do falecido líder da oposição russa Alexei Navalny Flores são vistas colocadas ao redor de um retrato do falecido líder da oposição russa Alexei Navalny - Foto: AFP

Um ex-colaborador do falecido opositor russo Alexei Navalny instou, nesta quinta-feira (22), países ocidentais a sancionarem pessoas próximas ao presidente Vladimir Putin e a bloquearem seus ativos por causa da morte do ativista.

"Se me perguntam sobre qual seria o meu sonho em relação à melhor resposta [à morte de Navalny], seria perseguir os amigos de Putin e se apoderar de seus ativos", disse Leonid Volkov no Parlamento Europeu.

Volkov, um ex-legislador russo que presidiu a Fundação Anticorrupção, criada por Navalny, disse que existem investigações sobre "pessoas que ainda têm ativos consideráveis no Ocidente", incluindo algumas "que são próximas a Putin".

Navalny, considerado como o mais notório opositor a Putin, morreu na última sexta-feira aos 47 anos em uma prisão no ártico russo.

 

Volkov minimizou o impacto das sanções anunciadas na véspera pelo Reino Unido contra seis funcionários da colônia penal onde Navalny morreu.

Na opinião dele, os seis funcionários provavelmente nunca viajariam para o Reino Unido nem teriam ativos no país.

Eles "riram dessas sanções", disse.

Depois do início da invasão da Rússia à Ucrânia, e equipe de Navalny enviou à UE uma lista de 7.000 funcionários russos que constituíam a "coluna vertebral do sistema de Putin" e que, segundo Volkov, deveriam ser sancionados.

No entanto, Volkov lamentou, "não aconteceu nada".

Veja também

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono
Política

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava
Bonobos

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava

Newsletter