França

Ex-diretor do Louvre é preso por suspeito de envolvimento no tráfico de antiguidades

Martinez, que é historiador da arte, é acusado, entre outros crimes, de fraude e lavagem de dinheiro

O ex-presidente-diretor do Louvre, Jean-Luc Martinez, discursando em frente aos dois quadros de Rembrandt durante visita ao Museu do Louvre do casal real holandês, em ParisO ex-presidente-diretor do Louvre, Jean-Luc Martinez, discursando em frente aos dois quadros de Rembrandt durante visita ao Museu do Louvre do casal real holandês, em Paris - Foto: Etienne Laurent / POOL / AFP

O ex-diretor do Museu do Louvre, Jean-Luc Martinez, foi preso na segunda-feira (23) sob suspeita de fazer parte de uma rede de tráfico de antiguidades. A notícia foi divulgada pela imprensa francesa nesta quinta (25).

Martinez, que é historiador da arte, é acusado, entre outros crimes, de fraude e lavagem de dinheiro. Além dele foram presos também Vincent Rondot, conservador do departamento de antiguidades egípcias, e o egiptólogo Olivier Perdu.

A prisão aconteceu por causa de uma estela egípcia de 3300 anos, que teria sido roubada e atualmente está em exposição no Louvre Abu Dhabi, sede do museu parisiense nos Emirados Árabes. A antiguidade, feita em granito rosa, tem inscrições relativas ao faraó Tutankhamon. A estela tem o selo do faraó e foi comprada pelo Louvre Abu Dhabi em 2016, por oito milhões de euros. "É excepcional", disse o egiptólogo Marc Gabolde ao jornal Le Monde.

Segundo o diário francês, a justiça acredita que a estela foi comercializada ilegalmente e que os negociantes falsificaram documentos relativos a centenas de peças com valor arqueológico, dando-lhes uma origem falsa.

Foi o próprio Marc Gabolde quem levantou a dúvida sobre a origem da peça. O egiptólogo reparou que no histórico de procedência da estela constava que ela tinha sido comprada nos anos 1930 por um oficial da marinha mercante alemã em um antiquário egípcio, o mesmo que aparece no caso de um sarcófago que teve origem adulterada antes de ser vendido ao Museu Metropolitan, de Nova York.

A suspeita de adulteração não levantou suspeita em Jean-Luc Martinez. As autoridades francesas agora tentam entender o que o antigo diretor do Louvre sabia sobre a origem da estela e por que ele não avisou as autoridades. A investigação prendeu, em março, um marchand alemão, um galerista e um colecionador franceses.

Veja também

Golpe da portabilidade do salário: nova fraude faz pagamento 'sumir' da conta das vítimas; entenda
Roubo de dados

Golpe da portabilidade do salário: nova fraude faz pagamento 'sumir' da conta das vítimas; entenda

Em cinco dias, choveu acima da média para julho em 45 municípios de Pernambuco
Dados da Apac

Em cinco dias, choveu acima da média para julho em 45 municípios de Pernambuco