Homenagem

Ex-promotora do caso Marielle recebe prêmio internacional dos EUA

Repercussão do trabalho de investigação sobre o assassinato da vereadora levou Simone Sibilio a ser homenageada

Promotora Simone Sibilio, durante homenagem do Prêmio Internacional Mulheres de CoragemPromotora Simone Sibilio, durante homenagem do Prêmio Internacional Mulheres de Coragem - Foto: Divulgação

A promotora de Justiça Simone Sibilio, que investigou o assassinato da vereadora Marielle Franco, ocorrido há exatos quatro anos, foi uma das 12 homenageadas nesta segunda-feira (14) pelo Prêmio Internacional Mulheres de Coragem (IWOC, na sigla em inglês). A condecoração foi entregue pelo secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony J. Blinken, durante solenidade virtual e também presencial, na sede do Consulado Americano, no Centro do Rio. A premiação é voltada para mulheres do mundo todo que se destacam em suas profissões. Simone é a segunda brasileira entre as 170 mulheres já reconhecidas: a primeira foi a major da PM Priscilla Azevedo Barlleta, atualmente comandante da Coordenadoria de Polícia Pacificadora.

Há 18 anos no Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), Simone foi antes delegada da Polícia Civil e capitã da Polícia Militar. Ela foi a primeira mulher a comandar o Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), atuando em casos relacionados à lavagem de dinheiro, tráfico de armas e drogas, milícias armadas e crimes transnacionais. O caso de maior notoriedade em que esteve à frente, no entanto, foi o sobre o morte de Marielle e do motorista Anderson Gomes, assassinados em 14 de março de 2018. Em março de 2019, foram presos o sargento reformado da PM Ronnie Lessa e o ex-policial militar Élcio de Queiroz, acusados de serem os executores. Mas, até hoje, não foi esclarecido quem mandou matar a vereadora.

"O prêmio representa, para mim, como mulher, como promotora de Justiça do Estado do Rio, um importante reconhecimento internacional ao meu trabalho, uma mensagem que fala profundamente ao meu coração e à minha alma. O sentimento de que vale a pena a defesa intransigente dos direitos das vítimas, a luta pelas famílias enlutadas, desfalcadas pelas perdas de seus entes. Cada dia de trabalho, cada noite não dormida. A certeza de que cada um de nós vai encontrar no futuro um pouquinho daquilo que deu de si no presente", declarou Simone Sibilio, dedicando o prêmio a todas as vítimas e seus familiares.

"Esse reconhecimento internacional ao meu trabalho também é uma mensagem para toda criminalidade organizada, é uma resposta da humanidade à civilização. É muita emoção saber que o nosso trabalho reverberou para além fronteiras. E esse prêmio também me encoraja, me estimula a seguir o caminho que foi pavimentado por tantas promotoras de Justiça que me antecederam", complementou

A solenidade foi transmitida de Washington e contou com a participação da primeira-dama dos EUA, Jill Biden. No Consulado Amaericano, a abertura do evento foi feita pela cônsul-geral, Jacqueline Ward. Presente na homenagem, o procurador-geral de Justiça, Luciano Mattos, ressaltou as dificuldades enfrentadas pela promotora no combate à criminalidade no Rio de Janeiro:

"Todos aqui presentes sabem que não é uma tarefa fácil enfrentar a criminalidade organizada do Rio de Janeiro. Ter o trabalho reconhecido internacionalmente, apesar de todo sacrifício pessoal, realmente é motivo de orgulho para todos os membros do MPRJ", disse.

O prêmio é dedicado às mulheres que demonstram coragem e liderança extraordinárias na defesa da paz, justiça e direitos humanos, mesmo colocando em risco a sua segurança pessoal.

Veja também

Independentista catalão Puigdemont é investigado por terrorismo na Espanha
investigação

Independentista catalão Puigdemont é investigado por terrorismo na Espanha

Ignoradas por "Oppenheimer", vítimas de teste nuclear contam sua versão
explosão

Ignoradas por "Oppenheimer", vítimas de teste nuclear contam sua versão