Falta de manutenção afeta pontes do Recife

Pontes do Derby e da Torre estão bastante deterioradas, mas, segundo o engenheiro civil Tibério Andrade, as estruturas não correm risco de desabar. No entanto, as reformas que devem ser feitas não são simples nem rápidas de serem executadas

Ponte da Torre Ponte da Torre  - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

O Recife possui 27 pontes viárias, mas, apesar da importância dessas estruturas para a mobilidade e do aspecto histórico de algumas delas, várias necessitam de manutenção urgente. Alicerces e estruturas de concreto das pontes do Derby e da Torre, por exemplo, estão bastante deteriorados. Segundo o professor de engenharia civil da UFPE Tibério Andrade, as duas pontes não correm risco de desabar, mas as reformas que devem ser feitas já não são simples ou rápidas de serem executadas.

“Existe uma falta de gerenciamento desses equipamentos urbanos que já deveriam ter sido alvos de intervenções por parte da Prefeitura. Estruturas de concreto envelhecem, elas têm uma vida útil e, durante esse período, têm que ser vistoriadas e passar por manutenções preventivas", disse. Segundo ele, no caso das pontes da Torre e do Derby, os trabalhos agora deverão ser corretivos.

A situação mais crítica é na ponte do Derby. De acordo com o engenheiro, diversas partes da estrutura de concreto estão bastante deterioradas, como as transversinas, que servem de apoio entre os pilares e o tabuleiro da ponte. “Na ponte do Derby, as transversinas estão com as armaduras expostas na parte inferior. As armaduras tanto protegem fisicamente quanto quimicamente. Porém, com o tempo, o material começa a se deteriorar e, no caso das duas pontes, está ocorrendo corrosão das suas armaduras”, concluiu. Já na ponte da Torre, de acordo com Andrade, a corrosão deixou as estruturas metálicas dos pilares da estrutura à mostra.

A Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb), informou que iniciará na próxima semana um programa de recuperação das pontes da Capital. Serão licitadas inicialmente as obras para as pontes do Derby e Motocolombó, em Afogados. Serão investidos R$ 20,7 milhões. Até março do próximo ano uma nova licitação será lançada, para a recuperação da ponte da Torre. Até o final de 2019, a Emlurb espera concluir os processos para recuperação estrutural de outras pontes.

Leia nota da Emlurb

A Emlurb realiza vistorias periódicas com equipes técnicas especializadas nas pontes da cidade a cada cinco anos, como regem as normas de engenharia civil. As vistorias são feitas a pé e também com auxílio de barcos. Os técnicos analisam e catalogam os principais problemas encontrados nas partes superiores e inferiores das estruturas, a exemplo de ferragem exposta, trincas, destacamento de partes em concreto, condições dos passeios, rede de iluminação, guarda corpo e pintura. A autarquia finalizou uma nova verificação nas pontes da cidade neste ano.

O secretário de Infraestrutura e Habitação e presidente da Emlurb, Roberto Gusmão, explicou que o processo de vistorias é constante e que a Emlurb tem se dedicado a um trabalho minucioso para identificar os problemas nas 27 pontes existentes na cidade. "Nós acompanhamos de perto e por isso já estávamos com essa licitação encaminhada, pronta para ser lançada"

O secretário explicou ainda que o Governo Federal não tem liberado recursos para manutenção de equipamentos de infraestrutura, fundamentais nesse tipo de serviço, em função do volume de investimentos necessários. Mesmo no cenário de adversidade, em 2015, a Emlurb investiu, com recursos próprios, cerca de R$ 1,5 milhões na recuperação e reconstrução da ponte do Rio Tejipió.

Em 2018, a Emlurb concluiu a recuperação estrutural da ponte na Rua José C. Cosme, em Dois Unidos, intervenção que contou com a demolição da antiga estrutura e construção de uma nova em concreto. O serviço teve um custo de R$ 800 mil. A nova ponte com 16 metros de extensão, cruza o Rio Morno, no ponto localizado na Rua José C. Cosme. A estrutura foi projetada para a passagem de veículos nos dois sentidos, além de passeio para pedestres com guarda-corpo. Em função dos desgastes naturais dos materiais que compunham a antiga estrutura da ponte foi necessária a intervenção resgatando suas características iniciais.

Todos os anos, a Emlurb também realiza a manutenção externa das pontes. Os serviços abrangem a pintura das estruturas, pequenos consertos nos elementos mais visíveis como guarda-corpo, vigas de bordo, iluminação e passeios, por exemplo. Estas ações também funcionam como uma camada de impermeabilização para o concreto, além de eliminar as pichações existentes nas estruturas.
 

Veja também

Internado com Covid-19, idoso reencontra cachorrinha de estimação em despedida emocionante
Folha Pet

Internado com Covid-19, idoso reencontra cadela de estimação em despedida emocionante

Defensoria e MPPE recomendam ampliação de canais de agendamento para vacinação de idosos no Recife
RECIFE

Defensoria e MPPE recomendam ampliação de canais de agendamento para vacinação de idosos