Salve Pedro

Família faz campanha para comprar remédio e tratar câncer de filho do indigenista Bruno Pereira

Menino precisa combater metástases que ainda ameaçam sua saúde; Bruno Pereira foi morto em junho de 2022 no Vale do Javari

Pedrinho enfrenta câncer agressivo desde o ano passadoPedrinho enfrenta câncer agressivo desde o ano passado - Foto: Reprodução/Vakinha

Aos cinco anos de idade, o pequeno Pedro trava uma batalha pela vida. Ele é filho de Bruno Pereira, indigenista pernambucano assassinado em junho de 2022 no Vale do Javari, e da antropóloga Beatriz de Almeida Matos.

No ano passado, o menino foi diagnosticado com neuroblastoma estágio 4, um tipo muito agressivo de câncer. Após cinco meses de tratamento em hospital público, com sessões de quimioterapia e alternando semanas em casa com semanas de internação no Hospital da Criança de Brasília, ele luta agora para que o câncer não se espalhe pelo corpo. 

De acordo com a família, nesta segunda fase do tratamento, que busca combater as metástases que ainda ameaçam o menino, é preciso comprar uma nova medicação, de alto valor e não fornecida pelo Sistema Único de Saúde. Com o objetivo de arrecadar doações para adquirir o medicamento, a mãe de Pedrinho criou uma campanha online na plataforma de arrecadação Vakinha.

Leia também

• Justiça adia audiências de acusados de matar Bruno e Dom

• Corpo do indigenista pernambucano Bruno Pereira é velado e cremado em cemitério de Paulista

• Mortes de jornalista e indigenista devem encorajar o combate aos crimes ambientais, exorta colega

“Bruno dedicou a vida à Amazônia. Denunciou o garimpo ilegal e a pesca predatória. Combateu o desmatamento e a grilagem de terras. Enfrentou os invasores das áreas protegidas. Lutou pelos povos indígenas. Defendeu a floresta, o nosso futuro, o futuro dos nossos filhos. Agora, a batalha do Pedro, o filho do Bruno e da antropóloga Beatriz de Almeida Matos, é pela vida. E o Brasil pode salvar o Pedro”, diz o texto publicado na plataforma. 

“No ano passado, ele foi diagnosticado com neuroblastoma estágio 4. Um câncer muito agressivo. Aos 5 anos, depois de 5 meses fazendo quimioterapia em hospital público, a luta do Pedro é para que o câncer não se espalhe. Isso só pode ser evitado com um medicamento caríssimo (betadinutuximabe), que tem de ser importado e não é oferecido pelo SUS . Vamos salvar o Pedro. Entra nessa vaquinha. Colabore como puder”, continua o texto. 

A campanha tem como meta arrecadar R$ 2 milhões. Até as 15h desta sexta-feira (5), haviam sido arrecadados pouco mais de R$ 943 mil. Quase 11 mil pessoas tinham apoiado a vaquinha online até então.

As doações podem ser feitas no link: www.salvepedro.com. Estão disponíveis doações por pix, boleto e cartão de crédito.

Veja também

Primeiro contingente da polícia queniana chega ao Haiti para missão de segurança
segurança no Haiti

Primeiro contingente da polícia queniana chega ao Haiti para missão de segurança

Ministério da Saúde incorpora no SUS 1º remédio para demência associada ao Parkinson
saúde

Ministério da Saúde incorpora no SUS 1º remédio para demência associada ao Parkinson

Newsletter