Familiares aguardam liberação dos corpos de adolescentes mortos na Funase

Como os corpos foram carbonizados, a identificação será feita por meio de exame de DNA

Alepe aprova apelo para vetar "ideologia de gênero" nas escolasAlepe aprova apelo para vetar "ideologia de gênero" nas escolas - Foto: Jarbas Araujo/ Alepe

Familiares de seis dos sete adolescentes mortos, no último domingo (30), durante uma rebelião na Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, aguardam, na manhã desta terça-feira (1º), a liberação dos corpos no Instituto Médico Legal (IML), no Recife.

Como os corpos foram carbonizados, a identificação será feita por meio de exame de DNA. O resultado dos exames pode demorar até cinco dias. O pai de um dos mortos, Everton Ferreira Batista, de 18 anos, o eletricista Evandro Batista chegou às 8h no IML. "Ontem eu passei o dia aqui e fiz o exame de DNA. Hoje, voltei. Mas não tem previsão de quando vão liberar o corpo do meu filho. Enquanto isso, a família sofre. Minha esposa está em estado de choque", comentou.

Sétimo morto
Seis adolescentes morreram carbonizados durante a rebelião na unidade de ressocialização. A sétima vítima, no entanto, estava com uma afundamento no rosto e as mãos decepadas. O corpo do adolescente, no entanto, ficou no IML de Caruaru e não precisou de exame de DNA para ser liberado.

Veja também

Brasil registra mais 407 mortes por covid-19
Coronavírus

Brasil registra mais 407 mortes por covid-19

Burger King é interditado em Salvador após aglomerar com promoção de Dia das Bruxas
Bahia

Burger King é interditado em Salvador após aglomerar com promoção de Dia das Bruxas