Famílias protestam contra ordem de despejo em Olinda

Moradores que vivem há mais de 15 anos em um residencial desocupado receberam na última sexta-feira (27) uma ordem judicial de despejo

As 240 famílias vivem há mais de 15 anos em um residencial desculpado na localidade e receberam na última sexta-feira (27) uma ordem judicial de despejoAs 240 famílias vivem há mais de 15 anos em um residencial desculpado na localidade e receberam na última sexta-feira (27) uma ordem judicial de despejo - Foto: Geraldo Moreira/Rádio Folha

Cerca de 240 famílias das comunidades Cuca Legal e Pistinha da Gaia, localizadas no bairro de Jardim Brasil II, em Olinda, Região Metropolitana do Recife, bloquearam as avenidas Antônio da Costa Azevedo e Presidente Kennedy na manhã desta segunda-feira (30) para protestarem por moradia. Os manifestantes fecharam as vias por volta das 7h30 e as liberaram cerca de uma hora depois.

Segundo a representante do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Vitória Genuíno, essas famílias vivem há mais de 15 anos em um residencial desocupado na localidade e receberam na última sexta-feira (27) uma ordem judicial de despejo.

Leia também:
Moradores de área de risco em Abreu e Lima pedem soluções e criticam valor de auxílio-moradia
Manifestantes protestam por moradias e fecham trecho da BR-101, no Barro
Avenida Norte é bloqueada em protesto por moradias


“Nós viemos à rua chamar atenção do prefeito de Olinda para que possamos achar uma solução em conjunto. O direito à moradia precisa ser garantido pelo Estado. Então estamos na rua para que ele possa nos ouvir”, afirmou a representante. Ela disse ainda que os moradores receberam a ordem de despejo, mas nenhuma assistência da Prefeitura de Olinda. “Não queremos auxílio-moradia. Nós queremos uma garantia concreta para essas famílias. Várias delas são formadas por crianças e idosos que estão correndo o risco de perderem sua moradia e não têm onde morar”.

A deputada estadual do mandato coletivo Juntas (PSOL), Jô Cavalcante, que também faz parte da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), esteve no local da manifestação. Ela contou que recebeu a demanda dos moradores e que vai dialogar com a Prefeitura de Olinda.

“Vamos realizar amanhã [nesta terça-feira, 1º] uma negociação com a Secretaria de Habitação da Prefeitura de Olinda na Alepe. A gente quer que o Estado garanta moradia para essas pessoas”, relatou a parlamentar.

Durante o protesto, os moradores atearam fogo nas duas faixas das avenidas Antônio da Costa Azevedo e Presidente Kennedy, bloqueando a passagem de motoristas que circulam na área. Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi enviada ao local, apagaram as chamas e liberaram o tráfego na área.

O Portal FolhaPE entrou em contato com a Prefeitura de Olinda, que confirmou uma reunião para esta terça-feira, mas se limitou a dar outras informações sobre possíveis assistências às famílias.

Veja também

Sesi-PE abre processo seletivo para novo ensino médio com vagas para 410 estudantes
Educação

Sesi-PE abre processo seletivo para novo ensino médio

Saúde lança plano de ampliação da vigilância epidemiológica
Saúde

Saúde lança plano de ampliação da vigilância epidemiológica