Meio ambiente

Fenômeno climático La Niña pode durar até março

Esta é a primeira vez neste século que La Niña dura três invernos consecutivos no hemisfério norte

Fenômeno La Niña em 2021. É a terceira vez, desde 1950 que La Niña dura três invernos consecutivos no hemisfério norte (ou três verões consecutivos no hemisfério sul)Fenômeno La Niña em 2021. É a terceira vez, desde 1950 que La Niña dura três invernos consecutivos no hemisfério norte (ou três verões consecutivos no hemisfério sul) - Foto: Divulgação / ClimaTempo

O fenômeno climático La Niña, responsável pelo agravamento da seca no Chifre da África, está se mostrando "excepcionalmente persistente" e pode durar até fevereiro ou março – alertou a ONU nesta quarta-feira (30).

Os cálculos da Organização Meteorológica Mundial (OMM) mostram que "há 75% de probabilidade de que La Niña persista durante o período de dezembro a fevereiro de 2022/2023, e 60% de probabilidade, para o período de janeiro a março", disse a organização em uma declaração.

As chuvas de monção mais intensas e prolongadas no Sudeste Asiático estão associadas ao fenômeno La Niña, particularmente no Paquistão, que sofreu inundações catastróficas em julho e agosto.

Esta é a primeira vez neste século, e apenas a terceira desde 1950, que La Niña dura três invernos consecutivos no hemisfério norte (ou três verões consecutivos no hemisfério sul), segundo o novo boletim Info-Niño/Niña publicado pela OMM.

A agência da ONU estima em 55% a possibilidade de o mundo viver um período sem La Niña, ou seu oposto, El Niño, durante os meses de fevereiro a abril de 2023. Essa possibilidade sobe para 70% nos meses de março a maio.

O fenômeno conhecido como La Niña causa um resfriamento de parte das águas superficiais do Pacífico, o que influencia o ciclo de precipitação e o clima de certas regiões do mundo.

A zona tropical do Pacífico está sob a influência de La Niña, com breves interrupções, desde setembro de 2020.

"Mas isso teve um efeito de resfriamento limitado nas temperaturas globais", comentou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, que alertou várias vezes sobre os estragos provocados pela mudança climática.

"Os últimos oito anos devem ser os mais quentes já registrados, e o aumento do nível do mar e o aquecimento dos oceanos se aceleraram", acrescentou.

De acordo com o relatório provisório da OMM sobre o estado do clima mundial em 2022, os padrões de precipitação deste ano em muitas regiões foram marcados por La Niña.

Na Patagônia, na América do Sul e no sudoeste da América do Norte, bem como no leste da África, foram registrados climas mais secos, enquanto o sul da África, o norte da América do Sul e o leste da Austrália ficaram mais úmidos.

Veja também

Rivais do premiê votam na penúltima etapa das eleições indianas
índia

Rivais do premiê votam na penúltima etapa das eleições indianas

Justiça da Colômbia acusa ex-presidente Uribe de suborno e fraude
america latina

Justiça da Colômbia acusa ex-presidente Uribe de suborno e fraude

Newsletter