Feras precisam superar desânimo para as próximas provas

Candidatos relatam frustração com o desempenho na redação. Mas professores alertam que nada está perdido

Professora de redação Fernanda BérgamoProfessora de redação Fernanda Bérgamo - Foto: Julya Caminha/Folha de Pernambuco

Muitos candidatos que fizeram a primeira prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) se frustraram por não conseguirem desenvolver o tema da redação - "manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet". Outros, por falta de atenção ou erro de interpretação fugiram do tema. Professores alertam que, agora, é preciso superar o desânimo para obter bons resultados no próximo domingo, segundo dia de provas.

Adilson Ferraz, 20, foi um dos que sentiram dificuldades para elaborar a redação e agora se sente desanimado para a próxima etapa. “Acredito que, assim como eu, muitas pessoas estavam despreparadas para esse tema, já que o Enem têm abordado, nas últimas edições, assuntos ligados aos direitos humanos e este ano foi diferente”, disse. “Eu ainda estou bastante abalado, sem esperanças de conseguir recuperar essa nota”, lamentou.

Leia também:
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
Enem tem menor percentual de faltantes desde 2009
Conceição Evaristo é a homenageada do Enem 2018
Primeiro dia do Enem tem questões sobre feminismo e ditadura


Para acalmar os feras que acham que não fizeram uma boa prova, a professora de redação Fernanda Bérgamo disse que é preciso cautela. “Os candidatos não são capazes de avaliar os próprios textos. Isso é papel da banca, que ainda não começou a corrigir. Mesmo diante do cansaço e nervosismo, os feras não devem desanimar. A dica agora é revisar os principais assuntos que devem ser abordados nas provas de exatas e natureza”. Ela alertou ainda que os candidatos devem ficar atentos ao tempo gasto em cada questão.

Para o professor de literatura e artes Marcos de Andrade, os candidatos devem, também, intensificar na interpretação dos textos e irem para o segundo dia de provas com a mesma disposição do primeiro. “Os feras precisam pensar que cada prova tem a sua realidade. Um dia frustrante nas questões de humanidade e redação e um dia bem sucedido em exatas e natureza pode ser bom para quem quer cursar na área de saúde, ou nos cursos de fisioterapia e engenharia, por exemplo. Se foi difícil para um aluno que se preparou durante todo ano, a prova pode ter sido difícil para o País inteiro”, afirmou.

Veja também

Estudante brasileira descobre, aos 16 anos de idade, um asteroide
Astronomia

Estudante brasileira descobre, aos 16 anos de idade, um asteroide

Após nove anos servindo à PMPE, pastor alemão Ninja conquista a aposentadoria
Folha Pet

Após anos servindo à PMPE, pastor alemão Ninja se aposenta