Ferimento por tubarão é discutido em evento de saúde

Tema faz parte do 43º Congresso Brasileiro de Angiologia e de Cirurgia Vascular, que acontece no Centro de Convenções

Área de riscoÁrea de risco - Foto: Brenda Alcântara

Nesta quarta-feira (9), a palestra "Trauma por ataque de tubarão" será uma das principais do 43º Congresso Brasileiro de Angiologia e de Cirurgia Vascular, que ocorre até sábado, das 7h30 às 18h, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, no Grande Recife. São esperados mais de três mil participantes durante todo o evento, que contará com 25 palestrantes internacionais e mais de 150 nacionais.

De acordo com a Secretaria de Defesa Social (SDS), desde 1992, foram registradas 66 ocorrências de incidentes com tubarões, incluindo os casos registrados no continente e no arquipélago de Fernando de Noronha. Deste total, houve 25 mortes. Os dois últimos casos registrados, que serão abordados na palestra, aconteceram no ano passado.

Leia também:
Tubarão: projeto prevê praias fechadas e multa a banhistas
Surfistas em menor número nas praias após ocorrências com tubarão


Ambos foram na praia de Piedade, em Jaboatão dos Guararapes. Um deles foi no mês de abril, quando Pablo Diego Inácio de Melo, 34 anos, natural do Rio Grande do Norte, teve os membros do lado direito do corpo amputados após o incidente, mas sobreviveu. Em junho, José Ernesto Ferreira da Silva, 18 anos, não teve a mesma sorte e acabou morrendo no hospital, após passar por cirurgias.

O presidente do Congresso, o cirurgião vascular Eraldo Arraes de Lavor, explica que um ataque de tubarão normalmente provoca grande perda de tecidos e musculatura óssea, além de intenso sangramento. "Como é uma lesão de extrema gravidade é muito importante o socorro adequado do paciente. Quanto mais rápido o atendimento inicial no local do acidente, assim como o transporte até um hospital, maiores são as chances de evitar ao máximo a amputação de membros da vítima ou mortalidade do paciente", disse Lavor.

Ainda segundo o médico, é bastante variável o tempo de tratamento de casos como os ocorridos na costa pernambucana. "Dependendo do local da lesão o paciente pode, infelizmente, nem ter a chance de chegar ao hospital com vida. Ele pode ter uma lesão que resulte na amputação do membro e vai precisar de um longo período de reabilitação, com profissionais de outras especialidades", disse, acrescentando que uma equipe multidisciplinar é necessária para readaptar o paciente à vida normal.

Nos últimos anos, a SDS e o Comitê Estadual de Monitoramento de Incidentes com Tubarões (Cemit) vêm trabalhando em diversas frentes com o intuito de evitar os ataques. Em 2017, foram adquiridas cinco motos aquáticas de salvamento, que são utilizadas atualmente para prevenção, fiscalização e resgate aquático pelo Corpo de Bombeiros (CBMPE). Além disso, foi realizada pelo Grupamento de Bombeiros Marítimo (GBMar), em 2017 e 2018, ampla campanha de prevenção de incidentes aquáticos.

Entre as ações destaca-se ainda a adoção de novo modelo de placas, seguindo padronização internacional. "Assim, as atuais placas são mais informativas, com campos de avisos de perigo, recomendações de segurança e regulamentações. Foram distribuídas 110 placas ao longo do trecho de maior risco do litoral pernambucano", informou a Secretaria de Defesa Social.

Congresso
Os interessados em participar do evento podem se inscrever pelo site recifevascular2019.com.br/site, onde também é possível ver a programação completa. O investimento varia de R$ 300 a R$ 3,9 mil, dependendo da categoria, e o pagamento pode ser realizado por meio de boleto bancário ou cartão de crédito.

Veja também

Brumadinho: MPF quer anular acordo que prevê multa de R$ 250 mi a Vale
Brumadinho

Brumadinho: MPF quer anular acordo que prevê multa de R$ 250 mi a Vale

Justiça suspende revogação de normas de proteção a mangues e restingas

Justiça suspende revogação de normas de proteção a mangues e restingas