A-A+

Filho de Bolsonaro defende aliado que rasgou homenagem a Marielle

O candidato Rodrigo Amorim (PSL-RJ) rasgou uma placa feita em homenagem à vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no início do ano

Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), filho de Jair Bolsonaro (PSL), defendeu o ato praticado pelo candidato Rodrigo Amorim (PSL-RJ) Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), filho de Jair Bolsonaro (PSL), defendeu o ato praticado pelo candidato Rodrigo Amorim (PSL-RJ)  - Foto: Reprodução/Instagram

O deputado estadual Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), filho de Jair Bolsonaro (PSL), defendeu o candidato Rodrigo Amorim (PSL-RJ) por ter rasgado uma placa feita em homenagem à vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no início do ano.

Amorim é candidato a deputado estadual e aliado de Flávio. Ele disse que a vereadora era uma vítima como qualquer outra da violência no país e que seu ato era uma represália contra os grupos de esquerda. O objeto era uma réplica não-oficial de indicação de rua no Rio de Janeiro e foi colocada sobre a da Praça Floriano, nome oficial da Cinelândia, onde fica a Câmara dos Vereadores.

Leia também:
Haddad vai ao TSE contra fake news divulgadas por apoiadores de Bolsonaro
Redes sociais sustentam a ascensão de Bolsonaro
Polêmicas, propostas de Bolsonaro viram tema de debate no Twitter
Força-tarefa da AGU terá 300 advogados de plantão nas eleições
Presidente do TSE fará pronunciamento em cadeia nacional no sábado


"Foi um posicionamento ideológico. Na verdade, eles nada mais fizeram do que restaurar a ordem. Havia um placa de [praça] Marechal Floriano, o PSOL acha que está acima da lei e pode mudar nome de rua na marra. Eles só tiraram a placa que estava lá ilegalmente", disse Flavio, que disputa uma vaga ao Senado.

O filho do presidenciável defendeu o ato por acreditar que a homenagem é 'ilegal'. Ele disse que foi um desrespeito a homenagem à Praça Marechal Floriano. "Se o PSOL quer fazer uma homenagem para a Marielle, apresenta um projeto de lei, pede à Prefeitura para, ao construir uma rua, uma praça, botar o nome, dar homenagem a ela. Agora não pode cometer um ato ilegal como esse."

Veja também

Comprovante de vacinação é exigido em igrejas e templos religiosos com mais de 300 pessoas no Estado
PERNAMBUCO

Comprovante de vacinação é exigido em igrejas e templos religiosos com mais de 300 pessoas

Brasileiro é assassinado a tiros no Paraguai
Tragédia

Brasileiro é assassinado a tiros no Paraguai