Folha Ajuda a matar a Fome; Ajude você também

Campanha volta a apelar para a solidariedade dos leitores neste momento e mostra abaixo algumas entidades que precisam de apoio

SopaSopa - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

O crescimento da pobreza no Brasil só agrava a situação da fome. A edição de fim de semana deste jornal, a Folha Mais, trouxe com exclusividade o drama de milhares de pessoas que, desempregadas, não conseguem comprar comida. O que era percepção da reportagem, agora ganha força com o estudo feito em parceria entre o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicadas (Ipea), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Fundação João Pinheiro. Ele aponta que a pobreza já atinge 4,1 milhões de pessoas - 1,4 milhão deles em pobreza extrema. Por esta razão, a campanha Folha Ajuda volta a apelar para a solidariedade dos leitores neste momento e mostra abaixo algumas entidades que precisam de apoio.

O Lar da Fraternidade Francisco de Assis (Larfaz), é um deles. Localizado na Estância, distribuía entre 250 a 300 sopas todas as segundas-feiras, no Centro do Recife. Mas, desde janeiro, a entidade precisou suspender as atividades por falta de doações. “É um tipo de assistência que precisa ser contínua, porque as pessoas que dependem da sopa ficam na expectativa de sua chegada. Às vezes, é a única alimentação do dia”, explica o voluntário Lucas Antônio.

Na Igreja da Várzea, Vera Padilha, que coordena um grupo que atua na distribuição de cestas básicas, também lamenta a queda nas doações. Quem ajuda são os paroquianos, em geral com um quilo de alimento. “As doações caíram porque muitos dos que ajudavam não podem mais. Hoje só conseguimos atender 91 famílias”, lamenta.

No Banco de Alimentos do Sesc há muita procura e queda nas doações. “A fila de espera é permanente”, diz a gerente do Banco, Isolda Braga. As empresas são as maiores doadoras e, de um tempo pra cá, os repasses começaram a reduzir. “Muitas indústrias diminuíram ou cortaram as doações. Outras fecharam ou saíram de Pernambuco”, comenta Isolda.

Outra entidade que tem ajudado a amenizar a fome é o grupo Pão Nosso de Cada Noite, que toda terça-feira reúne voluntários para distribuir comida e solidariedade no Imperador e na praça Maciel Pinheiro, no Centro do Recife. “As doações são dos próprios voluntários, porque a nossa ideia é que as pessoas saiam de suas zonas de conforto”, diz o voluntário Rafael Leão.

O grupo Samaritanos tem formato semelhante: alimento, conversa, acolhimento e algumas soluções, atendendo cerca de 250 pessoas por noite em bairros como Recife Antigo, Boa Viagem, Caxangá e Encruzilhada. “A ideia não é a evangelização, embora muitas vezes as pessoas peçam orações”, diz um dos coordenadores, Rafael Araújo.

Como ajudar:
O Larfaz: Rua Ibimirim, 120, na Estância, fone: (81) 3132.0614
Igreja da Várzea: telefone: (81) 3453-2442
Banco de Alimento do Sesc: (81) 3421.6090 e 3252-1329
Pão Nosso de Cada Noite: (81) 99648-9160
O Samaritanos: (81) 99612-9898

Veja também

Janet Yellen é confirmada como primeira secretária do Tesouro americano
EUA

Janet Yellen é confirmada como primeira secretária do Tesouro americano

Biden prevê atrasos nas negociações de ajuda financeira para a pandemia
EUA

Biden prevê atrasos nas negociações de ajuda financeira para a pandemia