Foliões têm mungunzá e bacalhau na despedida do Carnaval olindense

Casal distribuiu a iguaria, que deu força aos foliões para seguirem no Bacalhau do Batata

Bacalhau do BatataBacalhau do Batata - Foto: Léo Motta/Folha de Pernambuco

Já tradicional na Quarta-feira de Cinzas em Olinda, centenas de foliões foram prestigiar o Mungunzá de Zuza e Thaís e pularam sob o céu azul dessa manhã no Bacalhau do Batata.

Desde as 7h, aos pés da Igreja de São Salvador do Mundo, no Alto da Sé, começou a fila para receber os cinco mil copos de mungunzá distribuídos por Zuza e Thaís há 22 anos ao som de muito frevo.

“Ao longo do carnaval, o pessoal toma muita cerveja e chega na quarta acabado. Só que Quarta-feira de Cinzas em Olinda ainda tem festa, então o pessoal precisa de mais energia, e o mungunzá dá essa energia”, disse Zuza Miranda, depois de distribuir alguns copos da comida feita pela esposa que, neste ano, caprichou no açúcar e adicional chá de canela.

Repostas as energias com o doce regional, foi hora de voltar a subir e descer ladeira. Inaugurado em 1962, pelo garçom Isaias Pereira da Silva, que trabalhava os quatro dias oficiais de festa e não conseguia brincar na folia, o “Bacalhau do Batata” animou uma multidão de moradores e turistas.

“O Isaias era um cara muito legal e eu prometi a ele que daria prosseguimento à tradição iniciada por ele”, afirmou emocionado o também garçom José Felipe Lima, 48, que há 20 anos desfila usando o uniforme de oficio

Veja também

Aumento de CO2 na Amazônia pode ter impacto até maior que o do desmatamento na diminuição das chuvas
Amazônia

Aumento de CO2 na Amazônia pode ter impacto até maior que o do desmatamento na diminuição das chuvas

SUS recebe remédios de kit intubação em mandarim e teme confusão

SUS recebe remédios de kit intubação em mandarim e teme confusão