[Fotos] Mulheres protestam, no Centro do Recife, por direitos e contra violência

Esta é a quarta edição do ato e abordam temas que representam diversas lutas travadas pelas mulheres

8 de Março, ato pelas mulheres no Recife8 de Março, ato pelas mulheres no Recife - Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco

No ato intitulado ‘8 de Março’, várias mulheres se reúnem em protesto pelo fim da violência e pela garantia de direitos à classe. A concentração começou às 15h no Parque 13 de Maio, região central do Recife, e seguiu às 16h30 pela avenida Conde da Boa Vista, para a Praça do Derby. Integrantes de pelo menos 30 coletivos, organizações, fóruns e redes feministas participam da manifestação.

“Esse ato é muito importante porque aqui estão reunidas mulheres de vários grupos, somos diversas, representamos várias organizações feministas. O objetivo é denunciar o que está acontecendo com nós, mulheres.”, disse a coordenadora do ato, Rosemere Peixoto, do Fórum das Mulheres e da Rede das Mulheres Negras.

Leia também:
[Fotos] Espanha se mobiliza pelas mulheres com greve inédita
Dossiê mostra crescimento da violência contra mulheres lésbicas no Brasil

Esta é a quarta edição do ato e, para este ano, foram definidos dez eixos temáticos que representam diversas lutas travadas pelas mulheres: enfrentamento ao racismo; pelo fim da violência contra as mulheres; contra as reformas da previdência e trabalhista; pelo direito a creches; contra o fundamentalismo; contra o encarceramento das mulheres e por uma nova política de drogas; descriminalização do aborto; pelo direito à água, terra e moradia; mulheres, organização e participação política, contra a LBTfobia.

“Estamos indignadas com a violência contra a mulher. A situação está muito grave e precisamos chamar atenção das autoridades; nós não vemos nenhuma iniciativa para resolver”, disse Silvia Marques, do Fórum das Mulheres. Segundo dados da Secretaria de Defesa Social, somente em 2017, Pernambuco registrou 2.134 vítimas de estupro, mais de 300 casos de homicídios e 33.188 casos de violência doméstica. “Hoje é um dia de reconhecer nossos direitos e a violência que sofremos. E reconhecer significa construir políticas públicas e destinar recursos”, enfatizou.

Durante a concentração no Parque 13 de Maio foram realizadas cinco rodas de diálogos e serão realizadas seis paradas durante o percurso, com discursos de representantes dos coletivos. Ainda puderam ser vistas diversas expressões culturais, todas protagonizadas por mulheres, como rodas de capoeira, maracatu, feira de livros e uma exposição sobre a história de mulheres símbolos da luta feminina. 

Veja também

Polícia detalha atentado em Nice e prende suspeito de ser cúmplice do terrorista
França

Polícia detalha atentado em Nice e prende suspeito de ser cúmplice do terrorista

Condições meteorológicas e erro do piloto levaram à queda de avião que transportava Gabriel Diniz
Gabriel Diniz

Condições meteorológicas e erro do piloto levaram à queda de avião que transportava Gabriel Diniz