violência

França busca respostas após uma semana de distúrbios violentos

Após a morte de um jovem de 17 anos atingido por um tiro à queima-roupa de um policial, ataques explodiram na terça-feira (27) no país

França foi tomada por protestos, nos últimos dias, depois que um adolescente foi morto em abordagem policial França foi tomada por protestos, nos últimos dias, depois que um adolescente foi morto em abordagem policial  - Foto: Lou Benoist / AFP

O presidente francês, Emmanuel Macron, recebeu nesta terça-feira (4) mais de 200 prefeitos de localidades apoiados pelos choques da última semana para buscar respostas à crise provocada pela morte de um jovem baleado pela polícia.

"O retorno à calma será duradouro? Serei prudente, mas o pico que observamos nos últimos dias já passou", disse Macron no início da reunião com os prefeitos, grupo ao qual expressou "apoio e reconhecimento" por suas ações.

O encontro aconteceu no momento em que a redução dos distúrbios parece confirmada. Para a madrugada de terça-feira, as forças de segurança anunciaram um balanço de 72 pessoas detidas, 24 edifícios danificados e 159 veículos incendiados, mas nenhum policial ferido.

Os ataques explodiram na terça-feira (27) da semana passada, após a morte de Nahel, um jovem de 17 anos atingido por um tiro à queima-roupa de um policial durante uma operação de controle de trânsito no subúrbio de Paris.

Um vídeo de um morador de Nanterre registrou o momento da morte.

Desde então, delegacias, escolas e prefeituras foram incendiadas em todo o país, lojas foram saqueadas e fogos de artifício foram lançados contra os agentes das forças de segurança, uma reação à tragédia que provocou a retomada do debate sobre violência policial no país.

E o ataque com um carro durante o fim de semana contra a residência do prefeito de Haÿ-les-Roses (ao sul de Paris), o político de direita Vincent Jeanbrun, também deixou evidente a crescente violência enfrentada pelos funcionários públicos.

Mas a análise do cenário e a resposta serão complicadas. A direita e a extrema direita defendem a linha dura contra os distúrbios, enquanto a oposição de esquerda também critica o polêmico papel desempenhado pela polícia nas periferias.

As primeiras propostas apontam para a primeira opção. Durante uma visita na segunda-feira aos presidiários, Macron defendeu "sanções recebidas" contra as famílias dos jovens que participaram nos distúrbios. Na semana passada, ele pediu aos pais que mantivessem os filhos em casa.

O ministro da Justiça, Éric Dupond-Moretti, recordou na sexta-feira ao Ministério Público a "responsabilidade criminal" daqueles que não exercem a autoridade parental, o que pode resultar em penas de até dois anos de prisão e multa de 30 mil euros (R $ 156.000).

"Se os benefícios e as ajudas sociais são cortados, a miséria se soma à miséria", alertou o líder comunista Fabien Roussel em entrevista ao canal France 2, ainda mais quando os bairros onde ocorreram os choques estão entre os mais pobres da França.

"Terapia coletiva"
A reunião entre Macron e mais de 200 prefeitos no Palácio do Eliseu - sede da presidência - é um momento "de terapia coletiva (...) extremamente dolorosa", afirmou o prefeito de Grigny, Philippe Rio.

Para o administrador comunista do município da região parisiense, o vínculo "foi rompido" com os protestos sociais dos 'coletes amarelos' e as manifestações contra a reforma da Previdência. Os eventos abalaram os dois obrigatórios de Macron desde 2017.

A direita e a extrema direita, no entanto, criticam o que consideram "grande tolerância" da justiça, segundo o prefeito de extrema-direita de Beaucaire (sudeste), Julien Sanchez. "O que acaba de acontecer é um ato criminoso que exige uma resposta penal", disse o prefeito de Charleville-Mézières (nordeste), o direitista Boris Ravignon.

O balanço desde a semana passado, atualizado pelo ministério do Interior, inclui 3.486 pessoas detidas, 12.202 veículos incendiados e 1.105 edifícios e 209 delegacias atacadas.

A violência e a revolta dos jovens nos bairros populares registraram os choques que abalaram o país em 2005, depois que dois adolescentes morreram eletrocutados quando fugiram da polícia em um bairro do subúrbio de Paris.

A violência na França, que será a sede este ano do Mundial de Rúgbi e receberá os Jogos Olímpicos em 2024, gerou grande preocupação na comunidade internacional. A ONU pediu ao país que abordasse o "profundo problema do racismo" na polícia.

Veja também

Fiocruz critica PL do Aborto: "Retrocesso e ameaça à saúde de mulheres e meninas"
POSICIONAMENTO

Fiocruz critica PL do Aborto: "Retrocesso e ameaça à saúde de mulheres e meninas"

Exército de Israel diz que Hamas não pode ser destruído e expõe divergências com Netanyahu
GUERRA

Exército de Israel diz que Hamas não pode ser destruído e expõe divergências com Netanyahu

Newsletter