Frequência escolar de beneficiários do Bolsa Família chega a 90,31%

O pagamento está condicionado à presença mínima mensal de 85% nas aulas dos alunos de seis a 15 anos e de 75% dos adolescentes entre 16 e 17 anos

Bolsa FamíliaBolsa Família - Foto: José Cruz/Agência Brasil

A frequência escolar no primeiro bimestre dos estudantes beneficiados pelo Programa Bolsa Família teve o melhor índice desde 2007. A taxa de alunos dentro da sala de aula em fevereiro e março deste ano, que corresponde ao primeiro bimestre escolar, chegou a 90,31%, enquanto há doze anos registrou 66,22%.

Entre os motivos apresentados pelos 10% restantes dos estudantes que não mantém a frequência escolar estão doenças, problemas físicos, falta de transporte, gravidez e desastres naturais.

Os dados do Ministério da Educação mostram que dos mais de 13,8 milhões de estudantes beneficiários que entraram para o acompanhamento, 12,4 milhões tiveram a frequência escolar informada e 95,16% cumpriram o percentual mínimo de presença exigida pelo programa.

Leia também:
Bolsonaro cria 13º salário para o Bolsa Família
Relator compara benefício de idoso pobre ao Bolsa Família e dá aval à PEC


O Ministério da Educação monitora a frequência escolar dos alunos com idade entre seis e 17 anos cujas famílias recebem o benefício do Bolsa Família. O pagamento está condicionado à presença mínima mensal de 85% nas aulas dos alunos de seis a 15 anos e de 75% dos adolescentes entre 16 e 17 anos.

Para assegurar a participação no programa, os pais também precisam garantir que os filhos recebam cuidados básicos de saúde, como a aplicação de vacinas.

Os dados sobre a frequência são essenciais para o direcionamento de diversas políticas públicas.

Veja também

Pós-Enem: como entrar no ensino superior com a nota da avaliação
Educa Mais Brasil

Pós-Enem: como entrar no ensino superior com a nota da avaliação

Vacinas já distribuídas atendem cerca de 10% dos públicos prioritários
Coronavírus

Vacinas já distribuídas atendem cerca de 10% dos públicos prioritários