Notícias

Funase realiza teleaudiências com adolescentes envolvidos em atos infracionais

O projeto vinha sendo planejado desde 2019 para dar maior celeridade aos processos judiciais, mas só agora, por causa da Covid-19, teve os últimos ajustes técnicos acelerados

Para a comunicação, foi utilizada uma plataforma cedida ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ)Para a comunicação, foi utilizada uma plataforma cedida ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) - Foto: Divulgação/Funase

Com o objetivo de economizar recursos públicos e diminuir o fluxo de aglomerações em varas de justiça por causa da Covid-19, a Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase), juntamente com a 3ª e 4ª Varas da Infância e Juventude da Capital, iniciaram nessa quarta-feira (15) as primeiras teleaudiências com adolescentes envolvidos em atos infracionais.

O projeto, inédito no sistema socioeducativo de Pernambuco, vinha sendo planejado desde 2019 para dar maior celeridade aos processos judiciais, mas só agora teve os últimos ajustes técnicos acelerados, viabilizando a implantação do modelo, com comunicação remota entre as partes envolvidas.

A primeira experiência do uso da teleaudiência ocorreu nessa quarta-feira com o interrogatório de quatro adolescentes com idades entre 15 a 17 anos, ingressos do Centro de Internação Provisória (Cenip) Recife, situado no bairro do Bongi, Zona Oeste da capital pernambucana, desde o início do mês de abril. No local, os jovens apreendidos aguardam sentença judicial pelo período de até 45 dias.

Leia também:
Funase ganha novo laboratório de informática
Projeto da Funase incentiva o hábito da leitura nos socioeducandos
Adolescentes da Funase participam de curso sobre aquaponia no IFPE


Para a comunicação, foi utilizada uma plataforma cedida ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). As audiências foram presididas pela juíza Anamaria Borba, da Vara Regional da Infância e Juventude da Capital. Ainda atuaram o promotor de Justiça Guilherme Lapenda, coordenador do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça (Caop) de Infância e Juventude do Ministério Público de Pernambuco, e a defensora pública Carolina Izidoro, coordenadora do Núcleo da Infância e Juventude da Defensoria Pública de Pernambuco (DPPE).

As teleaudiências duraram duas horas e meia, e nelas os adolescentes tiveram assegurado amplo direito de defesa. Até a primeira quinzena de maio, os envolvidos participarão de, pelo menos, mais uma sessão judicial por videoconferência antes que a sentença seja proferida pelo Judiciário.

Segundo a presidente da Funase, Nadja Alencar, a realização de teleaudiências no sistema socioeducativo ocorre em um momento em que as instituições estão buscando otimizar recursos humanos e financeiros. “A sala e os equipamentos necessários já estavam preparados. Com a necessidade de isolamento social, houve uma união de esforços para os últimos ajustes e vimos essa iniciativa se tornar realidade, assegurando a realização das audiências em consonância com as recomendações sanitárias”, afirmou Nadja Alencar.

Para a coordenadora geral do Cenip Recife, Anny Sales, o uso dessa nova tecnologia é um marco no sistema socioeducativo não só em Pernambuco, mas no Nordeste. “Conseguimos garantir o direito do adolescente de ser ouvido individualmente e também a questão de saúde, já que evitamos a exposição dele e dos profissionais envolvidos em ambientes externos durante a pandemia”, contou Anny Sales.

Para os próximos dias já estão programadas audiências relativas a processos que tramitam nos municípios do Cabo de Santo Agostinho e em Ipojuca, ambos na Região Metropolitana do Recife.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

IBGE divulga 1º levantamento sobre homossexuais e bissexuais no Brasil
LGBTQIA+

IBGE divulga 1º levantamento sobre homossexuais e bissexuais no Brasil

Epidemiologista acredita que ainda 'é cedo' para falar de epidemia de varíola dos macacos
Varíola dos macacos

Epidemiologista acredita que ainda 'é cedo' para falar de epidemia de varíola dos macacos