Notícias

Furacão Sally ameaça EUA com inundações mortais

Centro Nacional de Furacões informou que o furacão avançava com ventos máximos sustentados por volta de 140 km por hora

Furacão SallyFuracão Sally - Foto: HANDOUT / RAMMB/NOAA/NESDIS / AFP

O furacão Sally se aproximava, nesta terça-feira (15), da costa do Golfo do México dos Estados Unidos, ameaçando com inundações mortais repentinas os estados do Alabama e Mississipi, apesar de ter sido rebaixado para categoria 1. O Centro Nacional de Furacões informou que o furacão avançava com ventos máximos sustentados por volta de 140 km por hora. 

"É possível que Sally produza inundações repentinas potencialmente mortais até quarta-feira", alertou o centro com sede em Miami. Às 09h00 de Brasília, Sally estava 170 km ao sudeste de Biloxi, no litoral do Mississipi, e avançava rumo ao noroeste, a 3,2 km/h. O furacão está previsto para tocar terra firme na noite desta terça-feira ou madrugada de quarta.

O presidente Donald Trump comparou, em declarações ao canal Fox, Sally com o furacão Laura, que atingiu o Texas e Louisiana, assim como o Caribe, há apenas algumas semanas. "Este é menor mas um pouco mais direto, mas temos tudo sob controle", afirmou. "Estamos vigiando muito rigorosamente".

Ele também disse no Twitter que "minha equipe e eu estamos monitorando o extremamente perigoso furacão Sally". "Estamos em contato direto com os Líderes Estaduais & Locais para ajudar as grandes cidades do Alabama, Louisiana e Mississipi", acrescentou, pedindo às pessoas que vivem no caminho do furacão que atendam às autoridades. -

"Mantenham-se a salvo" 

Alabama e Mississipi declararam estado de emergência. Tate Reeves, governador do Mississipi, afirmou que espera que o furacão Sally toque terra perto de Biloxi às 02h00 locais (03h00 em Brasília) de quarta-feira.

"As projeções de ondas ciclônicas continuam preocupantes, com tempestades costeiras entre cinco e oito pés (1,5 a 2,4 metros)", escreveu Reeves. "Continuamos muito preocupados com a quantidade de chuva", acrescentou, destacando que algumas áreas podem receber até 50 centímetros.

O governador de Louisiana, John Bel Edwards, cujo estado ainda não se recuperou do impacto do furacão Laura de categoria 4, pediu aos moradores que estejam preparados. "Sejam inteligentes e mantenham-se a salvo", tuitou.

O NHC, no entanto, prevê que Sally fará uma curva para o norte, afastando-se do sudeste de Louisiana, para tocar terra ao longo da costa sul dos vizinhos Mississipi e Alabama.


Foram tantas as tempestades tropicais no Atlântico este ano que a Organização Meteorológica Mundial da ONU, responsável por nomeá-las, está prestes a ficar sem nomes pela segunda vez na história. A última vez foi em 2005, ano em que o furacão Katrina devastou Nova Orleans.

Sally, que se formou no sul da Flórida, onde produziu chuvas intensas no fim de semana, é um dos cinco ciclones atualmente ativos no Atlântico, um fenômeno registrado apenas uma vez antes, em setembro de 1971, segundo os meteorologistas. Os outros são o furacão Paulette, as tempestades tropicais Teddy e Vicky e a depressão tropical Rene.

Paulette chegou na ilha das Bermudas na segunda-feira com ventos de categoria 2 e fortes chuvas, segundo o NHC. Desse modo, o centro espera que Teddy se torne furacão nesta terça-feira.

Veja também

Brasil acumula 141.406 mortes pelo novo coronavírus
Saúde

Brasil acumula 141.406 mortes pelo novo coronavírus

Trump indica Amy Coney Barrett para Suprema Corte
internacional

Trump indica Amy Coney Barrett para Suprema Corte