educação

Gastos com educação na América Latina cairão 9% em 2020 pela pandemia

O documento alerta para o aprofundamento das brechas de acesso, equidade e qualidade da educação, afetando especialmente os mais vulneráveis

Sala de aula vaziaSala de aula vazia - Foto: Arthur Mota / Folha de Pernambuco

Os gastos com educação na América Latina e no Caribe vão cair 9% durante 2020, devido à forte contração do PIB na região por causa da pandemia do novo coronavírus, informou nesta segunda-feira (24) um estudo conjunto entre a Unesco e a Cepal.

A contração de 9,1% no Produto Interno Bruto (PIB) que a região alcançaria este ano provocará uma forte diminuição de 9% "na quantidade dos recursos disponíveis para a educação em 2020", informou o estudo "A educação em tempos da pandemia de Covid-19", apresentado pela Unesco e a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

"Se não fosse pela pandemia, os gastos educacionais teriam aumentado 3,6% de 2019 a 2020" na região, segundo o informe que compila dados de 33 países até julho.
 

Leia também

• STF veta pagar aposentadorias com recurso da educação, e decisão afeta debate do Fundeb

• Tecnologia vira aliada da educação para o pós-pandemia

• América Latina registra mais de 600 violações à liberdade de imprensa no primeiro semestre



O documento destaca a urgência de se "garantir a proteção da educação como um direito humano fundamental" e alerta para o aprofundamento das brechas de acesso, equidade e qualidade da educação, afetando especialmente os mais vulneráveis.

Na América Latina, a região mais castigada pela pandemia, o novo coronavírus registra mais de 6,7 milhões de contagiados e cerca de 260.000 mortos.

A pandemia levou, ainda, 160 milhões de estudantes latino-americanos a deixaram de frequentar as escolas. Em 29 países, os alunos não têm aulas presenciais, mas em 26 deles, foram estabelecidas aulas à distância.

No entanto, o acesso a computadores é muito desigual na região. Oitenta por cento dos estudantes com nível socioeconômico mais elevado têm um contra apenas 20% dos estudantes do nível mais baixo.

"A desigualdade no acesso a oportunidades pela via digital aumenta as brechas pré-existentes no acesso à informática e ao conhecimento, o que - para além do processo de aprendizado que se está tentando impulsionar através da educação à distância - dificulta a socialização e a inclusão em geral", adverte o informe.

A Nicarágua é o único país que não suspendeu as aulas durante a pandemia, enquanto o Uruguai retomou as aulas presenciais na zona rural em 22 de abril e em 29 de junho nas demais escolas. Em 1º de junho, Equador e São Vicente e Granadinas iniciaram as aulas parcialmente.

Veja também

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista
Coronavírus

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria
internacional

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria