Globo faz reality culinário sem jurado de cara feia no esquema paz e amor

"Mestre" propõe uma competição culinária paz e amor: sem gritaria, sem intrigas, sem bullying, sem chef brabo

Aulas culináriasAulas culinárias - Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco

Cinco anos após a estreia de "MasterChef Brasil" na Band, a Globo entra no mercado dos reality shows culinários para a TV aberta. O programa "Mestre do Sabor", apresentado pelo chef franco-carioca Claude Troisgros, será exibido a partir de 10 de outubro em um dos horários mais nobres da emissora: às quintas-feiras, depois da novela das 21h.

"Mestre" propõe uma competição culinária paz e amor: sem gritaria, sem intrigas, sem bullying, sem chef brabo. Em outros pontos, assemelha-se à concorrência.Cozinheiros profissionais são submetidos a provas temáticas e com tempo exíguo; um júri avalia os pratos resultantes numa degustação cega, sem saber quem preparou o quê.

Claude divide a apresentação com o paraibano Batista, seu assistente de cozinha e de TV -a dupla se consagrou no canal pago GNT. A banca de jurados traz três chefs de prestígio.

O português José Avillez tem uma dúzia de restaurantes em Lisboa, Porto e Dubai. Ele aprendeu a falar o idioma com sotaque brasileiro, para facilitar a compreensão do telespectador. "Passei três semanas no Brasil e já falo melhor do que o Claude, que chegou há 40 anos", provoca.

Leia também: 
Monalisa Perrone pede demissão da Globo para ancorar telejornal na CNN Brasil
Roberto Kovalick é anunciado como o novo apresentador do 'Hora 1', da Globo


Kátia Barbosa faz sucesso no Rio com o bar Aconchego Carioca. É famosa tanto pelas frituras perfeitas -seu bolinho de feijoada foi imitado Brasil adentro e afora- quanto pela incontinência verbal. No ar, ela é só amor. "A Katita tem uma chave que desliga os palavrões quando aparece uma câmera", brinca LP Simonetti, um dos diretores do programa.

Leo Paixão comanda o restaurante Glouton, em Belo Horizonte. No ar, encarna o proverbial mineiro conciliador."Mestre do Sabor" é uma produção da Globo -"MasterChef" e "Top Chef" (Record) são franquias internacionais.

Para receber o reality, um dos estúdios da emissora em Jacarepaguá (zona oeste do Rio) foi convertido em cozinha. Os participantes têm acesso a uma variedade espantosa de ingredientes -coxas de rã, pimenta sriracha, suã de porco, cenouras coloridas e molho teriaki são alguns deles.

Um elemento, contudo, fica de fora: o fogo. Por exigência de uma lei municipal carioca, todo o equipamento é elétrico. Os realities da Band e da Record, gravados em São Paulo, trabalham com fogões a gás.

Mas o maior diferencial da atração é a abordagem positiva. "Todos na equipe são apaixonados por comida", afirma o diretor LP, que nas horas vagas arrasa no risoto de frutos do mar. "Não eliminamos o pior prato, premiamos o melhor", diz Claude.

Eles parecem falar sério. Na apresentação da atração para imprensa e influenciadores, um clipe exibido no telão comoveu o elenco. Avillez chorou. Kátia chorou. Batista chorou. Claude chorou. Faltou lenço de papel em Jacarepaguá.

Veja também

Carrefour terá que punir funcionário que praticar racismo, decide Justiça
Racismo

Carrefour terá que punir funcionário que praticar racismo, decide Justiça

Novos casos de HIV superaram 20% na América Latina na última década, diz OPAS
HIV

Novos casos de HIV superaram 20% na América Latina na última década, diz OPAS