Notícias

Governador começa a perder o controle do PSB

Carreras insubordinou-se contra o PSB ao anunciar antecipadamente que não vota em Lula

Inaldo SampaioInaldo Sampaio - Foto: Colunista

Não é irrelevante uma declaração prestada na última sexta-feira pelo deputado federal Felipe Carreras de que respeita “decisões partidárias”, mas não votará em Lula ou em qualquer outro candidato do PT para presidente da República “de jeito nenhum”.
A declaração é em si contraditória porque a decisão do PSB de Pernambuco é no sentido de apoiar o ex-presidente, conforme manifestação externada na véspera pelo governador Paulo Câmara. E se torna ainda mais relevante porque Carreras foi secretário estadual de Turismo até abril passado. Isto pode ter sido o primeiro sinal de que o governador começa a perder o controle do PSB pernambucano. Se a insubordinação tivesse partido de um parlamentar da Frente Popular, mas não filiado ao PSB, era perfeitamente compreensível porque muitos fizeram oposição ao PT a vida inteira e certamente não se sentirão à vontade participando da campanha lulista. É o caso, por exemplo, do deputado André de Paula, que construiu sua carreira política no extinto PFL como liderado político do ex-senador Marco Maciel. Exigir dele engajamento na campanha de Lula seria quase uma violência, sabendo-se que tem um passado antipetista. É claro que o deputado Carreras tem todo o direito de votar em quem quiser. Mas para ser coerente com o que escreveu não deveria ter dito que “respeita decisões partidárias”. Se já anunciou antecipadamente que não votará em Lula, que será o candidato do PSB estadual, óbvio que estará afrontando o seu próprio partido, que faz um enorme para ter o PT como aliado.

Para impedir aliança com o PDT
Glesi Hoffmann já tem certeza de que o PSB não fará coligação formal com o PT para apoiar Lula ou quem o partido indicar para presidente. Seu esforço, a partir de agora, é tentar impedir que o PSB caia nos braços de Ciro Gomes (PDT), pois se isso ocorrer iriam também o PCdoB e possivelmente o PV. É isso o que a senadora deu a entender em sua passagem pela Bahia.

Palanque duplo > Não será bom para Marília Arraes (PT) o apoio de Paulo Câmara (PSB) a Lula, pois vai deixá-la sem a “exclusividade” do candidato petista em Pernambuco. Aliás, o PSB já prepara uma campanha para o interior dizendo que “Paulo é Lula” e “Lula é Paulo”.

Time forte > Armando Monteiro (PTB) está começando sua campanha pra governador com um time de prefeitos de forte expressão política: São Lourenço da Mata, Camaragibe, Ipojuca, Gravatá, Caruaru, Igarassu, Garanhuns, Belo Jardim, Petrolina, Salgueiro e Araripina.

Cai fora! > O Palácio tirou o deputado Nilton Mota (PSB) do Pajeú para facilitar composições políticas em favor da candidatura de João Campos (PSB) a deputado federal. “Niltinho” perdeu os prefeitos de Itapetim (Adelmo Moura), Brejinho (Tânia Maria) e São José do Egito (Evandro Valadares).

Tá na hora > Há forte inquietação na Frente Popular pelo fato de ainda não serem conhecidos os candidatos a vice-governador e à segunda vaga de senador. E também “stress político” porque muitos deputados estaduais estão vendo a derrota se aproximar.

Decisão, já! > A ministra Carmem Lúcia (STF) tem obrigação de decidir o mais rápido possível com quem ficará o comando do MDB estadual, se com o vice-governador Raul Henry ou com o senador Fernando Bezerra Coelho. Prolongar essa indefinição é uma afronta à democracia.

Veja também

PF faz operações contra estudantes de medicina suspeitos de fraude no CadÚnico
Rio de Janeiro

PF faz operações contra estudantes de medicina suspeitos de fraude no CadÚnico

Mãe comenta exumação do corpo da filha, que teria sido envenenada por madrasta: "Que pague em dobro"

Mãe comenta exumação do corpo da filha, que teria sido envenenada por madrasta: "Que pague em dobro"