Governadores do NE querem reforço de médicos brasileiros sem diploma validado

governadores destacaram que a gravidade do momento exige medidas para ampliar o quadro de médicos do país

Rui Costa (PT), Governador da BahiaRui Costa (PT), Governador da Bahia - Foto: Manu Dias/Governo da Bahia/Flickr

Os governadores dos nove estados do Nordeste solicitaram ao ministro da Saúde, Nelson Teich, que autorize a atuação dos cerca de 15 mil médicos brasileiros que cursaram medicina no exterior, mas não tiveram seus diplomas validados no Brasil, durante a pandemia do novo coronavírus.

Em carta enviada ao ministro, os governadores destacaram que a gravidade do momento exige medidas para ampliar o quadro de médicos do país, garantindo a assistência à saúde aos brasileiros.

Esses profissionais seriam integrados ao Sistema Único de Saúde e passariam por um processo de validação dos diplomas por meio de programas de complementação curricular e avaliação na modalidade ensino-serviço, com o apoio de universidades públicas federais e estaduais.

Leia também:
Começam, neste terça, as inscrições para a contratação de 40 médicos
Empresários do Nordeste se reúnem com Paulo Guedes


"Precisamos muito desta mão de obra de médicos. Nesta escassez que nós temos, e vamos ter ainda mais, é um reforço importantíssimo", afirmou o governador da Bahia, Rui Costa (PT), presidente do Consórcio Nordeste.

A medida foi adotada por sugestão do Comitê Científico de Combate ao Coronavírus do Nordeste, formado por pesquisadores que estão dando apoio aos governos estaduais durante a pandemia, que externou a preocupação de uma possível escassez de profissionais de saúde durante a pandemia.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Coronavírus provavelmente já estava nos EUA desde dezembro de 2019, diz estudo
Pesquisa

Coronavírus provavelmente já estava nos EUA desde dezembro de 2019, diz estudo

Jaboatão abre agendamento para vacinação contra a Covid-19 do público a partir de 45 anos
Vacina

Jaboatão abre agendamento para vacinação contra a Covid-19 do público a partir de 45 anos