Governadores se dizem frustrados com resultado de megaleilão

Governador de Pernambuco, Paulo Câmara, disse que o sentimento após o leilão do pré-sal é de frustração

Governador Paulo Câmara foi alvo de críticas do presidente, no Twitter.Governador Paulo Câmara foi alvo de críticas do presidente, no Twitter. - Foto: Arthur Mota

Os governadores de alguns dos estados mais beneficiados pelo megaleilão do pré-sal organizado pelo governo federal nesta quarta-feira (6) dizem se sentir frustados com o resultado e que aguardavam valores superiores, como havia sido projetado.

A falta de interessados em duas das áreas reduz os valores que o governo dividirá com estados e municípios. Dos cerca de R$ 70 bilhões, R$ 34,2 bilhões serão repassados à Petrobras como ressarcimento por mudanças no preço do petróleo após a assinatura do contrato de cessão onerosa.

Entre os estados que previam arrecadar mais de R$ 500 milhões com cessão onerosa estariam Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará e os nordestinos Bahia, Maranhão, Pernambuco e Ceará.

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), disse que o sentimento após o leilão do pré-sal é de frustração. Ele afirmou que a situação é preocupante porque existia uma confiança que não se concretizou. "Frustrou as expectativas até porque eram quatro blocos e apenas dois conseguiram êxito e sem competição."

Leia também:
Petrobras e chineses levam maior área do megaleilão do pré-sal sem concorrência
Áreas que não foram arrematadas em megaleilão do pré-sal serão relicitadas em 2020, diz líder do governo

Câmara comunicou que o estado vai ter que se reprogramar em relação à chegada dos recursos oriundos da cessão onerosa. "Evidentemente, a situação dificulta. Mas vamos continuar trabalhando. Esperamos que, mais na frente, os erros de condução deste processo sejam corrigidos".

O secretário da Fazenda da Bahia, Manoel Vitório, afirmou que resultado do leilão gerou frustração com relação à expectativa original, que era de uma arrecadação maior. "Este desfecho só reforça o entendimento que a Bahia sempre expressou, de que os estados precisam ser conservadores quanto às previsões de receitas anunciadas, mas incertas", disse o secretário, da gestão Rui Costa (PT).

O governo do Maranhão, sob gestão de Flávio Dino (PC do B), afirmou que o estado aguardava os recursos da cessão onerosa para o orçamento. Porém, destacou que a ausência do dinheiro não comprometerá a cobertura das despesas obrigatórias do exercício financeiro de 2019.

No Rio, o governo Wilson Witzel (PSL) diz que as receitas não estavam previstas no orçamento, logo, não será necessário ajustar a execução orçamentária em função disso, e que não tinham despesas programadas com esse recurso. Diz, ainda, que a lei permite o uso somente para o pagamento de despesas previdenciárias e com investimentos, e que o estado cumprirá essa determinação.

Veja também

Paraná anuncia acordo com Rússia para produção de vacina contra coronavírus
Coronavírus

Paraná anuncia acordo com Rússia para produção de vacina contra coronavírus

Não houve racismo, diz defesa de PM que agrediu rapaz em shopping no Rio
Violência

Não houve racismo, diz defesa de PM que agrediu rapaz em shopping no Rio