Governo aceita ajuda de 10 milhões de libras do Reino Unido para o combate a queimadas

O governo brasileiro informou ainda que a aceitação dos recursos ocorrerá mediante a condição de que o dinheiro fique sob a coordenação do Brasil

AmazôniaAmazônia - Foto: Lula Sampaio/AFP

O governo brasileiro informou na noite dessa terça-feira (27) ter recebido e aceitado uma oferta de 10 milhões de libras (cerca de R$ 50,6 milhões) do Reino Unido para combater as queimadas na Amazônia.

De acordo com informações do Palácio do Planalto e do Ministério de Relações Exteriores, a oferta foi feita pelo secretário de estado britânico, Dominic Raab, em conversa telefônica com o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo.

O governo brasileiro informou ainda que a aceitação dos recursos ocorrerá mediante a condição de que o dinheiro fique sob a coordenação do Brasil.

Leia também:
Reino Unido promete 10 milhões de libras para a Amazônia
Bolsonaro só aceita negociar aporte do G7 se Macron 'retirar insultos'

A ajuda dos britânicos ocorre em meio a um impasse sobre oferta de US$ 20 milhões (cerca de R$ 83 milhões) feita pelo presidente francês, Emmanuel Macron, durante encontro do G7.

Na noite de segunda (26), o Palácio do Planalto informou que o dinheiro oferecido pelo G7 não seria aceito em meio a uma crise diplomática entre Brasil e França.

Na manhã desta terça, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) recuou e disse que os recursos seriam recebidos se Macron pedisse desculpas por tê-lo chamado de mentiroso.

À noite, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, adotou uma terceira versão e disse que ajudas de países e organismos internacionais à Amazônia são bem-vindas, desde que a gestão do dinheiro fique à cargo do governo brasileiro.

O Planalto não soube dar detalhes sobre de que forma a ajuda britânica será aplicada. As equipes técnicas ainda trabalham nesses pontos, informaram autoridades brasileiras.

Segundo interlocutores que acompanham o caso, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, determinou que o dinheiro fosse oferecido para aplicação, no curto prazo, diretamente em negócios e comunidades afetadas pelos incêndios.

No longo prazo, a ideia é que os recursos sejam usados para proteção da floresta com uso da terra de forma sustentável.

Brasil e França vivem uma crise diplomática em meio às queimadas na Amazônia.

Em entrevista ao deixar o Palácio da Alvorada, Bolsonaro ressaltou que só aceita negociar o aporte do G7 se Macron pedir desculpas a ele, por tê-lo chamado de "mentiroso", e retirar declaração sobre a possibilidade de internacionalização da Floresta Amazônica.

"Eu falei isso [não aceitar os recursos]?", questionou. "Primeiramente, o senhor Macron deve retirar os insultos que fez à minha pessoa. Primeiro, me chamou de mentiroso. Depois, as informações que eu tive, é que a nossa soberania está em aberto na Amazônia", acrescentou.

A maior parte do dinheiro oferecido pelas nações mais industrializadas do mundo é para ser utilizada no combate à série de incêndios.

Em entrevista concedida na cúpula do G7, Macron disse que o debate sobre um status internacional da Amazônia deve se colocar, mas que esta não era a proposta naquele momento nem naquele fórum.

"Então, para conversar ou aceitar qualquer coisa da França, que seja das melhores intenções possíveis, ele [Macron] vai ter que retirar essas palavras e, daí, a gente pode conversar", disse Bolsonaro. "Primeiro, ele retira, depois ele oferece e daí eu respondo."

Nova versão
No início da noite desta terça, o porta-voz da Presidência mudou a versão sobre a condição para que o Brasil receba a ajuda oferecida durante encontro do G7.

"O governo brasileiro está aberto a receber dos órgãos internacionais, dos países, verbas desde que a governança seja nossa", disse.

Questionado se a aceitação dos R$ 83 milhões está vinculada a uma retratação por parte de Macron, como disse Bolsonaro, Rêgo Barros não respondeu.

"O governo não rasga dinheiro, não. Não rasga e não rasgará. Rasgar dinheiro não é uma coisa adequada num governo que tem a austeridade como princípio maior. E essa austeridade vem sendo apresentada à sociedade por meio das decisões do Presidente da República e não avançar um milímetro daquilo que não seja legalmente permitido", disse o porta-voz.

Veja também

Centenas de baleias encalhadas são encontradas no sul da Austrália
Mundo

Centenas de baleias encalhadas são encontradas no sul da Austrália

Neurônios cansados podem provocar distorção na percepção do tempo
Ciência

Neurônios cansados podem provocar distorção na percepção do tempo