Notícias

Governo adia reajuste de medicamentos por dois meses em meio à pandemia do coronavírus

A informação foi dada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

Medicamentos. Medicamentos.  - Foto: Pixabay

O governo decidiu adiar o reajuste no teto do preço de medicamentos em meio à pandemia de coronavírus no país. A informação foi dada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). "Em comum acordo com a indústria farmacêutica decidimos adiar, por 60 dias, o reajuste de todos os medicamentos no Brasil", afirmou nas redes sociais.

O aumento é tradicionalmente liberado no fim de março pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), um órgão interministerial composto pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e pelos ministérios da Saúde, da Casa Civil, da Economia e da Justiça.

Antes que um medicamento possa ser comercializado no país, é preciso obter tanto o registro sanitário na Anvisa quanto a autorização de preço máximo pela CMED. Os ajustes de preços também devem ser autorizados pelo órgão, uma vez ao ano, conforme uma fórmula pré-estabelecida.

Leia também:
Novo saque do FGTS pode ser de R$ 1.000 devido ao coronavírus, estuda governo
Brasil registra mais de mil casos da Covid-19 nas últimas 24 horas


O reajuste não representa um aumento automático nos preços, mas um limite máximo. Ou seja, cada empresa pode optar pela aplicação do índice total ou menor, a depender das estratégias comerciais.

Em março de 2019, por exemplo, a CMED havia autorizado um reajuste de até 4,33% nos medicamentos.

Para chegar ao percentual, a CMED observa fatores como a inflação dos últimos 12 meses (IPCA), a produtividade das indústrias de medicamentos, custos como câmbio e tarifa de energia elétrica e a concorrência de mercado.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Japão envia protesto oficial para China por construção em águas disputadas
RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Japão envia protesto oficial para China por construção em águas disputadas

Milhares de habitantes de Pequim são postos em quarentena obrigatória por Covid-19
China

Milhares de habitantes de Pequim são postos em quarentena obrigatória por Covid-19