Governo começa campanha oficial por cloroquina contra coronavírus e usa frase de Mandetta

O uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para o tratamento da Covid-19 está no centro de recente polêmica do Planalto que tem se arrastado nas últimas semanas

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta  - Foto: José Cruz/Agência Brasil

A Secretaria de Comunicação do governo Jair Bolsonaro publicou nesta quarta-feira (8), em suas redes sociais, uma mensagem em que exalta o que chama de resultados positivos da cloroquina no combate ao coronavírus, dando início, assim, a uma campanha oficial em defesa do medicamento.

O uso da cloroquina e da hidroxicloroquina para o tratamento da Covid-19 está no centro de recente polêmica do Planalto que tem se arrastado nas últimas semanas.
De um lado, o presidente Bolsonaro tem defendido sua aplicação e exaltado seus supostos efeitos positivos.

De outro, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, tem ressaltado que ainda são necessários mais estudos para que os efeitos do remédio sejam compreendidos a fundo. A opinião do ministro é respaldada por parte significativa da comunidade médica.

Leia também:
Bolsonaro e Mandetta discutem relação, fazem reunião 'tranquila' e conversam sobre leitos
David Uip recomendou a Mandetta uso de cloroquina contra coronavírus na rede pública


A publicação da Secretaria de Comunicação desta quarta (8) conta com uma frase atribuída a Mandetta.

"Nós já liberamos cloroquina e hidroxicloroquina tanto para os pacientes críticos, como para todos os internos em hospitais", teria dito o ministro, segundo a publicação.

Nesta terça-feira (7), durante entrevista à imprensa, Mandetta afirmou que o Ministério da Saúde não recomendaria o uso indiscriminado de cloroquina contra o coronavírus.

Enquanto isso, Bolsonaro divulgava vídeo nas redes sociais em que a médica Nise Yamaguchi defende abordagem diferente.

O protocolo da pasta indica a prescrição do medicamento para casos graves e críticos da doença. Já Yamaguchi, que tem mantido conversas com o presidente, defende que se receite a medicação já no segundo dia após o início dos sintomas.

Bolsonaro compartilhou entrevista de Yamaguchi ao canal CNN Brasil. Ela diz que as evidências científicas ainda estão sendo construídas, mas ressalta que médicos e hospitais já trabalham com a medicação.

Denizar Vianna, secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, explicou nesta terça (7) como funciona o protocolo de pesquisa a respeito do uso de cloroquina no combate ao coronavírus nos casos graves e críticos.

"Se já tem uma indicação de hospitalização, se já tem um quadro de falta de ar, se já tem critérios de hospitalização, ele já é elegível para receber esse medicamento", informou o secretário.

Vianna acrescentou que estudos preliminares mostraram que o medicamento pode trazer bons resultados nesses casos.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Vaticano julga cardeal por escândalo financeiro
Religião

Vaticano julga cardeal por escândalo financeiro

País regrediu 20 anos na educação com pandemia, diz secretário
Educação

País regrediu 20 anos na educação com pandemia, diz secretário