Governo cria pacto nacional contra a LGBTfobia

Na busca pelo fim da violência contra o público LGBTT promove semana de debates sobre políticas públicas de enfrentamento. Pacto de enfrentamento a violência contra pessoas LGBT será assinado na quarta-feira (16)

Parada da Diversidade no RecifeParada da Diversidade no Recife - Foto: Anderson Stevens /Folha de Pernambuco

Pacto Nacional de Enfrentamento à Violência LGBTfóbica será assinado nesta quarta-feira (16), durante a Semana de Luta contra LGBTfobia, promovida pela Secretaria Nacional de Cidadania do Ministério dos Direitos Humanos que vai até a sexta-feira (15). O documento tem como proposta promover e articular ações que combatam à violência, priorizando o respeito à dignidade e diversidade humana.

Nele, estados, Distrito Federal e o governo federal assumem o compromisso conjuntamente enfrentar a violência LGBTfóbica. Uma consultoria especializada, via Nações Unidas, foi contratada e fez visitas técnicas nas 27 unidades da Federação, que puderam opinar e trazer informações para elaboração do pacto.

Segundo a diretora de Promoção dos Direitos LGBT do Ministério dos Direitos Humanos, Marina Reidel, a medida “visa unir esforços em todo território brasileiro no combate à violência”.

Leia também:
Universitária ativista LGBT morre queimada no Rio
Aplicativo enviará à CGU denúncias de agressão e discriminação a pessoas LGBTI+
Internautas confundem capa de Pink Floyd com símbolo LGBT


Uma das demandas apresentadas pelos estados é a destinação de recursos para a execução das ações. Com isso, o ministro assinará um edital para seleção de propostas de ações de enfrentamento à violência LGBTfóbica, que serão financiadas pela da Secretaria Nacional de Cidadania do Ministério dos Direitos Humanos, por meio de convênio.

Em 2017, o Disque 100 da Secretaria Nacional de Cidadania do Ministério dos Direitos Humanos recebeu 1.720 denúncias de violações contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Do total, 70,8% foram por discriminação. Na seqüência, aparecem violências psicológicas e físicas, com 53,3% e 31,8%, respectivamente.

As atividades marcam também o Dia Internacional de Combate a Homofobia, lembrado no dia 17 de maio. A data foi escolhida, em 1990, quando a Organização Mundial de Saúde (OMS) retirou a palavra homossexualismo da Classificação Estatística Internacional (CID).

A decisão reconheceu que a homossexualidade não pode ser considerada doença, por se tratar de traço da personalidade do indivíduo. No Brasil, somente em 2010, por meio de decreto presidencial, o Dia Nacional de Combate a Homofobia foi oficialmente instituído. A partir daí, estados e municípios iniciaram políticas específicas para intensificar ações de combate à violência, ao preconceito e discriminação.

Durante a semana, haverá uma série de debates sobre políticas públicas de enfrentamento. A abertura está marcada para esta terça-feira (15) quando serão relatadas as ações desenvolvidas. Em seguida, serão apresentados dados a respeito das denúncias de violações de direitos humanos. Conforme o levantamento, 27% das violações ocorrem na casa da vítima.

Para o ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha, a semana traz visibilidade à causa. “Precisamos avançar neste assunto. É muito bom que já exista espaço para a população LGBT na política, mas esse é apenas mais um passo para que seus direitos sejam preservados”, destaca.

Veja também

Aos 111 anos, pernambucana tira identidade pela primeira vez
Histórico

Aos 111 anos, pernambucana tira identidade pela primeira vez

Vacinas da Índia devem chegar ao Rio de Janeiro no fim da tarde desta sexta-feira (22)
Coronavírus

Vacinas da Índia devem chegar ao Rio de Janeiro no fim da tarde desta sexta-feira (22)