Governo de Pernambuco realiza doações a Fernando de Noronha

A iniciativa já contemplou 700 famílias do arquipélago com doações de alimentos, água mineral e produtos de higiene

Doações a Fernando de NoronhaDoações a Fernando de Noronha - Foto: Divulgação

Com a disseminação do novo coronavírus e a economia de Fernando de Noronha afetada pela falta do turismo na Ilha, ações sociais foram intensificadas durante a pandemia. O Governo de Pernambuco vem realizando, a partir do Porto do Recife, uma rede de solidariedade para garantir a doação de alimentos, água mineral, ração animal e itens de higiene a mais de 700 famílias do arquipélago. Um novo embarque de cestas básicas será realizado nesta quinta-feira (21), totalizando mais de 2 mil doações.

Até o momento, já foram doadas 60 toneladas de cestas básicas, 4 toneladas de caixas com garrafas de água mineral, 3 toneladas de frutas e legumes, meia tonelada de frango congelado, 600 quilos de ração animal e 400 quilos de máscaras de proteção e álcool.

Segundo o coordenador de Operações e Estatísticas do Porto do Recife, Édson Ferreira Gomes, como a demanda por alimentos e por produtos de higiene pessoal diminuiu consideravelmente na Ilha, com as medidas de isolamento social (todas as atividades turísticas estão suspensas em Noronha), apenas as embarcações que têm contrato para transporte de combustíveis e resíduos estão com viagens regulares.

Leia também:
Últimos casos suspeitos de Covid-19 em Fernando de Noronha são descartados
Servidores de Fernando de Noronha com Covid-19 retornarão ao Recife

“As demais embarcações se deslocam apenas quando têm cargas contratadas. Mesmo assim, com as dificuldades enfrentadas no momento, as que estão fazendo o trajeto têm reservado espaço gratuito para ajudar à população da Ilha, o que, sem dúvida, todos nós agradecemos”, afirma Gomes.

Participam diretamente da iniciativa as secretarias de Desenvolvimento Econômico e Desenvolvimento Social, além do Centro de Abastecimento e Logística de Pernambuco (Ceasa-PE), empresas de alimentos e de transporte marítimo de cargas, e o órgão Gestor de Mão de Obra do Recife (OGMO Recife).

O gerente Comercial de Transporte Marítimo da Agemar, Arlindo Santos Júnior, explica que, logo quando surgiu o problema da pandemia e do isolamento social, a Administração de Noronha procurou a empresa para que fosse feita uma parceria de transporte, sem frete, de 2 mil cestas básicas vindas da Ceasa-PE. A proposta foi aceita. A média do frete cobrado pelas embarcações é de R$ 1,4 mil por tonelada transportada.

“Já foram feitas três viagens, com um total de 1.575 cestas, e, na quinta-feira (21), transportaremos a últimas 425. Isso tudo sem contar com as 2 toneladas de legumes que já enviamos também para lá. Um dos nossos pilares é valorizar relacionamentos. Por isso, acreditamos ser fundamental praticar a empatia no momento em que a comunidade da ilha tem experimentado, de forma intensa, sentimentos como incerteza, ansiedade e insegurança”, declara Santos Júnior.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Grande parte dos índios não sabe o que é dinheiro, diz Bolsonaro
Política

Grande parte dos índios não sabe o que é dinheiro, diz Bolsonaro

Fies 2021.2: estudantes já podem conferir se foram pré-selecionados
Educa Mais

Fies 2021.2: estudantes já podem conferir se foram pré-selecionados